Rebaixamento dos EUA pode custar US$ 100 bilhões, diz ‘Financial Times’

Esse pode ser o valor das perdas totais que investidores que mantêm bônus nos Estados Unidos podem registrar

Angelo Ikeda, da Agência Estado,

27 de junho de 2011 | 09h16

Investidores que mantêm bônus dos Estados Unidos podem registrar perdas totais de até US$ 100 bilhões se a classificação de risco da maior economia do planeta, atualmente em AAA, for rebaixada, segundo o "Financial Times", que cita uma pesquisa da S&P Valuation and Risk Strategies.

Um rebaixamento que resulte em preços menores e maiores taxas de retorno (yields) pode significar também que o Tesouro norte-americano terá de pagar entre US$ 2,3 bilhões e US$ 3,75 bilhões a mais em juros ao ano.

Se a Standard & Poor's ou qualquer outra agência de classificação de risco rebaixasse os EUA, os Treasuries provavelmente perderiam valor e é possível que as perdas chegassem a US$ 100 bilhões, disseram analistas da S&P Valuation and Risk Strategies, uma equipe de pesquisa separada da agência.

Por enquanto, a taxa de retorno dos Treasuries ainda não reflete essa preocupação. Na sexta-feira, a taxa dos títulos de 10 anos caiu a 2,85%, o nível mais baixo do ano. Até agora, os investidores estão mais preocupados com a fraqueza da economia e com um possível contágio da crise europeia.

Apesar de a ameaça de rebaixamento da dívida dos EUA ser remota, ainda é uma possibilidade, considerando-se as projeções de grandes déficits de longo prazo e o impasse em relação ao aumento do limite da dívida, atualmente em US$ 14,3 trilhões.

Em abril, a S&P manteve a classificação de risco da dívida dos EUA, mas colocou a nota em perspectiva negativa por causa do déficit e do risco de que ele não seja reduzido de forma significativa até 2013.

A Moody's, enquanto isso, disse que poderá colocar a nota dos EUA em revisão para um possível rebaixamento se o impasse sobre o limite da dívida pública não for resolvido até 2 de agosto. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.