Recall da Toyota chega à África do Sul; GM prevê maior regulação

Subsidiária resolve participar de convocação mundial por 'precaução' e fará conserto de quase 53 mil carros

Marcílio Souza, da Agência Estado,

10 de fevereiro de 2010 | 12h42

A unidade da Toyota Motor na África do Sul disse nesta quarta-feira que vai fazer um recall de quase 53 mil carros como parte de uma medida global para consertar problemas no acelerador e no freio. Estarão envolvidos no chamado os modelos Prius, Corolla, Auris e Verso.

O presidente e executivo-chefe da unidade, Johan van Zyl, disse que a subsidiária escolheu participar do recall mundial como medida de precaução, apesar de o problema "não ter tido o mesmo efeito no clima quente e seco da África do Sul".

Nesta terça-feira, o presidente das operações da General Motors na América do Norte, Mark Reuss, disse que os problemas da Toyota podem provocar um aumento da regulação sobre as montadoras. A Administração de Segurança de Tráfego nas Rodovias Nacionais dos EUA já pediu a todas as montadoras que enviem detalhes sobre como implementarão o uso de um sistema de freios.

Também hoje, o ministro de Transportes do Japão, Seiji Maehara, afirmou que o recall global da Toyota não afetará as relações entre o Japão e os EUA. "Essa questão não deve estragar as relações dos dois países nem prejudicar a concorrência livre e justa", afirmou, após reunir-se com o embaixador norte-americano John Roos. Este, por sua vez, reiterou o que disse o ministro. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.