Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Recall de veículos cresce 85% em 2015

De acordo com o Procon, o problema que mais gerou convocações para correção de defeitos foi o sistema de airbag

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2016 | 08h57

O total de veículos envolvidos em recall no Brasil foi recorde em 2015, com 2,81 milhões de automóveis, segundo dados da Fundação Procon-SP. O número é 85% maior em relação ao do ano anterior. Foram feitas 116 convocações para corrigir defeitos de fábrica, ante 96 em 2014.

Segundo o Procon, o problema que mais gerou recalls foi o sistema de airbag, com 21 campanhas. Defeito no sistema fabricado pelo grupo japonês Takata – e vendido para montadoras de diversos países – poderia resultar na liberação de fragmentos metálicos quando a bolsa de ar era acionada. Houve vários casos de pessoas feridas no exterior e nove mortes. Mais de 30 milhões de carros tiveram de passar por recall. No Brasil, foram 1,36 milhão.

A Honda liderou os recalls no País em número de veículos envolvidos. Foram 1,2 milhão de automóveis em seis campanhas. Já em número de campanhas, Land Rover e Mercedes-Benz fizeram nove cada.

A diretora executiva do Procon-SP, Ivete Maria Ribeiro, diz que o recorde de recall, que vem sendo batido anualmente, mostra que as empresas estão mais preocupadas com a proteção preventiva dos consumidores. “Não é nenhum favor por parte delas, pois está previsto no Código de Defesa do Consumidor.”

Ela ressalta que cabe ao fabricante realizar o recall, mas cabe ao consumidor atender ao chamado. “Se o consumidor não atende e ocorre algum problema, ele pode ser responsabilizado.”

Também ocorreram recalls de motos, produtos infantis, medicamentos, alimentos, xampu, bicicletas, berço, alarme de incêndio e soprador elétrico.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilProconTakataHondaLand Rover

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.