Recall GM: como proceder

A partir de hoje, o consumidor deve ligar para uma concessionária da rede General Motors para marcar horário em que o carro deve ser deixado para o conserto. Cinco peças formam o kit que será instalado no trilho dos bancos dianteiros para reforçar o suporte de fixação do cinto de segurança. Foi constatado que a presilha usada até agora pode desgastar-se após longo período de uso e romper-se, soltando cinto em casos de forte impacto. O banco deve ser empurrado para a frente para a colocação da peça na parte inferior ao ajuste do cinto.A campanha de convocação dos proprietários começou ontem à noite, com chamadas de um minuto no Jornal Nacional (Rede Globo), Jornal da Record e Jornal do SBT. Só com essas propagandas, a empresa deve ter gastado cerca de R$ 400 mil. Hoje, serão colocados anúncios em jornais e rádios. O consumidor terá 180 dias para levar o carro à loja.O que o consumidor deve fazerO proprietário deverá receber correspondência da GM a partir de amanhã informando sobre a necessidade de comparecer a uma revenda da marca, mas não é preciso esperar a carta. Se o carro foi vendido, a GM solicitta que o primeiro proprietário tente um contato com o dono atual. Feito o serviço, a loja comunicará a GM para que seja providenciada a baixa no sistema de controle.Se o dono não comparecer nos primeiros 30 dias, a montadora enviará um segundo comunicado no dia 4 de dezembro ou um terceiro no dia 18 de janeiro, caso o serviço não tenha sido feito em 60 dias.Caso o carro tenha sido adquirido de terceiros, vá à concessionária independente de ter a carta convocatória.A GM tem à disposição dos consumidores um telefone para informações 0800 194200.A empresa e as revendas informam que o serviço de colocação do reforço no suporte do cinto de segurança é feito em no máximo 20 minutos, mas, como o volume de carros envolvidos é grnade, o tempo de espera deve ser maior.Caso o proprietário tenha sofrido alguma acidente em que o cinto tenha se soltado, poderá requerer indenização na Justiça com base no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.