Receita admite que greve prejudica o comércio exterior

A secretária-adjunta da Receita Federal, Clecy Maria Busato Lionço, reconheceu hoje que a greve dos auditores tem prejudicado o comércio exterior e elevado o custo das empresas em logística, mas negou diminuição na fiscalização das cargas que entram e saem dos portos, aeroportos e aduanas terrestres. "Fizemos um levantamento para comprovar que nesse período aumentou e não diminuiu a quantidade de seleção", afirmou. Ela garantiu que 30% das cargas que transitam pelas aduanas passam pela conferência da Receita. A acusação de que há um "afrouxamento" na fiscalização é do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco Sindical). "Infelizmente, o pessoal do sindicato quer fazer bandeira, mas não há ingerência política ou que não seja exclusivamente técnica, na seleção das cargas", disse ao participar de um seminário em São Paulo.De acordo com ela, o governo já apresentou a proposta considerada possível para reajustar o salário dos auditores, tornando fixa uma gratificação que hoje é variável e criando uma nova gratificação, atrelada ao aumento de arrecadação pela Receita.Clecy disse que o governo Lula está empenhado a ampliar a quantidade de auditores para aperfeiçoar a fiscalização. Os cálculos da Receita, baseado em estudos realizado dos anos 90, indicam que o contingente de auditores teria de subir dos atuais 7 mil para 15 mil, mesmo número a ser preenchido por técnicos da Receita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.