Receita diz que IPI foi prorrogado para evitar demissões

O secretário-adjunto da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, disse na noite desta sexta-feira que a decisão de prorrogar por mais três meses o acordo de redução da alíquota do IPI para automóveis visa a manutenção dos empregos do setor e do processo de recuperação das vendas. Barreto foi um dos técnicos da Receita que, no início do mês, afirmou que não havia necessidade de prorrogação do acordo emergencial. ?Não havia decisão tomada na época, por isso não podíamos antecipar qualquer decisão?, disse.Segundo o coordenador de estudos tributários da Receita, Márcio Verdi, o acordo com o setor automotivo permitirá a manutenção do ritmo de recuperação das vendas de veículos. A preocupação do governo é evitar uma contração forte das vendas do setor no início de 2004, o que poderia provocar efeitos negativos sobre o processo de retomada da atividade da economia.Em agosto, antes da entrada em vigor do acordo, o setor automotivo vendeu 100 mil unidades. Em outubro, as vendas atingiram 141 mil unidades, e a Receita espera que esse número se repita agora em novembro. A renúncia fiscal com a queda da alíquota do IPI tem sido compensada, em parte, com o aumento da arrecadação do PIS e da Cofins, cobrada das montadoras. ?A cada carro que vendemos, temos uma perda de 3% com o IPI mas ganhamos 8,2% com o PIS e a Cofins que são cobrados das montadoras?, afirmou.Com a decisão tomada nesta sexta-feira os consumidores poderão até fevereiro comprar carros de até mil cilindradas com alíquota de IPI de 6%, tanto os movidos à álcool, gasolina ou de motor misto. Para os carros até duas mil cilindradas, a alíquota do tributo é de 12% para os carros à gasolina, e de 10% para os carros à álcool e os de motor misto. Barreto acredita que as montadoras manterão o compromisso de não aumentarem os preços até dezembro. ?Na primeira etapa do acordo os preços foram mantidos e o que se espera é que o mesmo ocorra agora?. Ele lembrou que o acordo, mesmo sendo prorrogado, ainda tem caráter emergencial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.