Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Receita do setor de serviços tem menor crescimento desde 2012

Em janeiro, segmento registrou elevação de 1,6% nas receitas, informa o IBGE; resultado foi influenciado por corte de gastos do governo

Daniela Amorim, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2015 | 09h15


A receita bruta nominal do setor de serviços cresceu 1,6% em janeiro de 2015, ante igual mês de 2014, informou nesta terça-feira, 17, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o pior resultado da série histórica da Pesquisa Mensal de Serviços, que teve início em janeiro de 2012. A receita bruta do setor acumula alta de 5,4% em 12 meses.

O crescimento baixo do setor de serviços em janeiro foi causado pelo corte de gastos do governo e de empresas privadas, sobretudo com serviços avançados, segundo Roberto Saldanha, técnico da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

"Nós identificamos no mês de janeiro uma retração bastante significativa no setor de informação e comunicação. Tanto as empresas quanto o governo reduziram seus gastos em contratações, principalmente de serviços de informática. Foi um corte muito forte", apontou Saldanha.

Saldanha acrescenta que os cortes feitos pelo governo incluem as esferas federal, estadual e municipal, e são decorrentes das restrições orçamentárias que vêm sendo amplamente divulgadas.

"Os contratos não estão sendo renovados, estão sendo adiados. Nas empresas privadas também estão cortando seus gastos em serviços avançados, que incluem serviços de telecomunicação, informática e serviços técnico-profissionais, que aí abrange consultoria, publicidade e propaganda, e engenharia e arquitetura", enumerou ele.

O setor de serviços vinha de um crescimento nominal de 4,0% em dezembro.

Serviços de informação e comunicação tiveram queda de 2,5% no mês. Os demais cresceram: serviços prestados às famílias (alta de 8,6%), serviços profissionais, administrativos e complementares (5,3%) e transportes, serviços auxiliares do transporte e correio (2,2%).

Nas regiões, em janeiro o Rio Grande do Norte apresentou o maior crescimento, de 9,2%. A queda mais expressiva foi vista em Alagoas (-7,4%). São Paulo cresceu apenas 0,4%.

A Pesquisa Mensal de Serviços foi inaugurada em agosto de 2013, com série histórica desde janeiro de 2012. A pesquisa produz índices nominais de receita bruta, desagregados por atividades e com detalhes para alguns Estados, divididos em três tipos principais: o índice do mês frente a igual mês do ano anterior; o índice acumulado no ano; e o índice acumulado em 12 meses.

Ainda não há divulgação de dados com ajuste sazonal (mês contra mês imediatamente anterior), porque, segundo o IBGE, a dessazonalização requer a existência de uma série histórica de aproximadamente quatro anos.

Tudo o que sabemos sobre:
ibgeserviços

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.