Receita fecha cerco contra importação de vestuário

Após operação, órgão espera que haja maior uniformidade nos preços de mercado

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2011 | 13h59

BRASÍLIA - A Receita Federal divulgou nesta sexta-feira, 16, o resultado da operação "Panos Quentes 3", iniciada em agosto, para combater as importações irregulares de peças de vestuário.

Segundo a secretária-adjunta da Receita, Zayda Manatta, 521 declarações de importações foram colocadas no canal vermelho pelo qual os fiscais do Fisco analisam toda a documentação e a carga. Segundo ela essas declarações representavam US$ 26 milhões em importações, das quais 44% apresentaram irregularidades, seja por fraude de origem ou na declaração do valor do produto, ou na declaração falsa do tipo de produto. Além disso, outras 133 declarações de importação foram colocadas no chamado canal cinza, onde a fiscalização ainda é mais rigorosa porque abrange também a análise da capacidade financeira das empresas.

Segundo Zayda, do total de US$ 3,254 milhões importados pelo canal cinza, 70% ficaram retidos. "Os números mostram o nosso acerto no fortalecimento da fiscalização", afirmou a secretária. Para a secretária, com a operação panos quentes a tendência é que haja maior uniformidade nos preços de mercado.

Ela disse que em 2007, quando foi realizada a primeira operação, as importações de vestuário chegavam ao Brasil com o preço de US$ 7 o quilo. Hoje estão em US$ 17. "Estamos encerrando a operação com sucesso, mas não significa que a Receita vai eliminar esta forma de controle", afirmou a secretária. A Operação Panos Quentes é acionada sempre que a Receita encontra indícios de irregularidades na entrada de produtos têxteis no Brasil.

A secretária disse que a Receita tem trabalhado em parceria com setores com maior risco em relação aos importados e com mão-de-obra intensiva. Além de calçados, que passarão a ser alvo da fiscalização, a partir de segunda-feira, a secretária disse que outros setores estão na mira da Receita, como brinquedos e pneus. 

Tudo o que sabemos sobre:
receita federalimportaçãovestuário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.