Receita intensificará operação na fronteira do Paraguai

A Receita Federal não só vai manter, como intensificará as operações de fiscalização na Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçú (PR), na divisa entre Brasil e Paraguai. O objetivo é combater o ingresso de mercadorias falsificadas e contrabandeadas no Brasil. A garantia foi dada hoje pelo coordenador-geral de Administração Aduaneira da Secretaria da Receita Federal, Ronaldo Lázaro Medina.Nos últimos dias, o governo paraguaio e de comerciantes daquele país têm se mostrado revoltados com a acentuada redução de visitantes brasileiros no país, os chamados "muambeiros", que transportam mercadorias falsificadas para o País. O governo do Paraguai exige contrapartidas do Brasil pela queda de arrecadação e ameaça, inclusive, retaliar comercialmente o País.Segundo ele, o objetivo da Receita e da Polícia Federal é extinguir o tráfego de mercadorias falsificadas hoje contrabandeadas entre dois países pelos "muambeiros". "Esses são os principais responsáveis pelo abastecimento do mercado informal brasileiro. Vamos fechar essa torneira", indicou.Programa de desenvolvimentoAntes de participar em São Paulo do seminário "O Brasil Contra a Pirataria", realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o coordenador da Receita disse que o governo brasileiro deve anunciar, nos próximos meses, um programa de desenvolvimento para a região da tríplice fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina) como forma de compensar a região pelas perdas financeiras provocadas pela operação."Podemos aperfeiçoar, melhorar o turismo na região, para garantir o desenvolvimento sem o uso de sistemas desleais de produção", citou, ao relembrar a intenção do governo brasileiro de construir uma segunda Ponte da Amizade para garantir maior fluxo de turistas. "Mas reforçaremos a fiscalização, com pessoal, scanners e aparelhos de raio-X, garantindo mais conforto e segurança aos turistas", adiantou. Medina também cobrou maior participação dos governos municipais e estaduais no combate ao comércio desleal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.