Receita investiga créditos fictícios para empresas no Rio

A Corregedoria-Geral da Receita Federal investiga o uso de créditos fictícios, possivelmente ?fabricados? por pequenas firmas eaté empresas-fantasma, para quitação de débitos pelo suposto bando investigado pela Polícia Federal sob suspeita de apagar dívidas com o Fisco. Investigadores do órgão suspeitam que a fraude tenha sido feita também em outros Estados. Esta semana, começarão auditorias na Receita no Rio e em São Paulo. Elas serãoindependentes, mas seus dados serão cruzados. ?Temos quase certeza de que acharemos em São Paulo empresas na mesma situação que encontramos no Rio?, disse Leão à Agência Estado.Pela lei brasileira, uma empresa pode dar, para quitar uma dívida que tenha com o Fisco, um crédito que tenha junto a ele, gerado, muitasvezes, por operações de exportação ou incentivos fiscais. Uma empresa também pode comprar, legalmente, o crédito de outra para dá-lo empagamento do débito, mas apenas se estiver no Refis (Programa de Recuperação Fiscal), cujo prazo se encerrou em abril de 2000. Em muitoscasos, suspeita-se, empresas fora do programa se beneficiaram, o que é ilegal.Outra possível fraude, disse o corregedor, é a mudança fictícia de endereço das sedes de empresas. A mudança ?de papel? teriabeneficiado companhias dos setores moveleiro e de alimentos que tentaram usar créditos falsos no Rio Grande do Sul e, não o conseguindo, mudaram formalmente suas sedes para o Rio, ondeconseguiram apagar cerca de R$ 15 milhões em dívidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.