Receita lança operação para autuar os contribuintes irregulares do PIS

Agentes da Receita Federal no Estado de São Paulo deflagraram na manhã desta quarta-feira, a Operação Eclipse, com o objetivo de autuar os contribuintes que apresentaram irregularidades no recolhimento da Contribuição para o Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Só na Capital, seis mil empresas serão intimadas a prestar esclarecimentos. Segundo a Receita Federal, estima-se que as diferenças encontradas podem chegar a cerca de R$ 10 bilhões.De acordo com a Delegada da Delegacia de Fiscalização da Receita Federal de São Paulo, Dra. Roseli Mitsui Tomikawa, trata-se de uma operação de fiscalização, com previsão de término até o fim deste ano. A Receita Federal mobilizou 200 fiscais para iniciar nesta quarta a visita a milhares de empresas do Estado de São Paulo suspeitas de fraude no recolhimento de Contribuição para o PIS e para a Cofins. Só na Capital, seis mil empresas serão intimadas a prestar esclarecimentos. Segundo a delegada, a lista de empresas suspeitas na Operação Eclipse foi elaborada a partir do cruzamento de informações fornecidas pelas próprias companhias com a base de dados da Receita e de outros fiscos. "São suspeitas todas as empresas que apresentam informações divergentes de forma reiterada sobre o cálculo dos impostos", explica a delegada.Segundo ela, os valores são expressivos pois os dois impostos incidem sobre o faturamento total. As empresas serão intimadas a prestar esclarecimentos sobre os valores e as multas variam de 75% a 225% da contribuição devida. A delegada diz que a fraude é grave pois as duas contribuições financiam a seguridade social. O PIS financia o Seguro Desemprego e a Cofins, a saúde e a assistência social. Matéria alterada às 12h34 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.