Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Receita libera consulta ao 7º lote de restituições

A Receita Federal libera na sexta-feira a consulta ao sétimo e último lote de restituições do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2005. A consulta pode ser feita pela internet (no site: www.receita.fazenda.gov.br) ou pelo Receitafone (0300-78-0300).Das 329,1 mil declarações processadas, 151,5 mil tiveram restituição, em um montante total de R$ 150,5 milhões. Outros 99,1 mil contribuintes tiveram imposto a pagar, no valor total de R$ 39,5 milhões. O restante dos contribuintes teve saldo zero de imposto.Quem tem direito a restituição receberá o dinheiro corrigido em 11,55%, referentes à taxa Selic - a taxa básica de juros da economia - nos meses de maio a novembro, e de mais 1%, referente ao mês de dezembro. A restituição será creditada na conta indicada pelo contribuinte no dia 15.Quem não solicitou o crédito do imposto poderá fazê-lo a partir do dia 15 de dezembro no Banco do Brasil, pessoalmente em uma das agências ou pelo BB Responde (4004-0001 nas capitais, ou 0800-729-0001, nas demais localidades). Quem pediu crédito na Caixa Econômica Federal e não receber o depósito deverá procurar o banco para resolver o problema. A restituição ficará disponível nos bancos por um ano.Malha finaA Receita Federal informou que este ano 900 mil contribuintes, pessoas físicas, estão retidos na malha fina para exame mais minucioso de suas declarações de renda. O número é bem superior ao do ano passado, quando 495 mil contribuintes caíram na malha.Mas neste ano os contribuintes contam com uma novidade que permitirá a regularização mais rápida de sua situação. É que quem estiver na malha poderá verificar qual o problema que está obstruindo sua restituição no site da Receita: www.receita.fazenda.gov.br. Para tanto, será preciso, além do número do CPF, o número do recibo da declaração entregue.Segundo o supervisor nacional do Imposto de Renda, Joaquim Adir, durante a consulta o contribuinte, além de saber qual o problema que o colocou na malha fina, terá também informações de como proceder.Adir não quis definir um motivo para o crescimento expressivo do número de contribuintes na malha fina, mas ressaltou o aperfeiçoamento nos procedimentos da Receita. Segundo ele, a maioria dos casos da malha fina são de divergência ou omissão de informações, e, em alguns casos, de valores fora do padrão nas despesas dedutíveis, como as despesas médicas.

Agencia Estado,

08 de dezembro de 2005 | 16h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.