Receita líquida das empresas no Brasil não cresce há nove meses

Levantamento feito com companhias de capital aberto nos últimos dez anos mostra que a queda mais acentuada foi no quarto trimestre de 2015

Luana Pavani, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2016 | 19h42

A receita líquida das empresas de capital aberto no Brasil não cresce há nove trimestres consecutivos, segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica feito com dados ajustados pela inflação.

Para o cálculo, a consultoria levou em conta os dados de todas as empresas de capital aberto na bolsa brasileira nos últimos dez anos, comparando o trimestre com o mesmo período do ano anterior, com os valores ajustados pelo índice IPCA.

No segundo trimestre de 2016 a mediana da queda da receita líquida dessas empresas somadas é de 8,85% em relação aos três meses encerrados em junho de 2015. Por setor, o de software e dados é o único que registra alta nesse intervalo, e o de construção civil tem a maior retração da receita, de 26,48%.

Ainda de acordo com o estudo, a queda mais acentuada de receita das empresas, de modo geral, aconteceu no quarto trimestre de 2015, quando a mediana foi de -9,81% ante o mesmo período de 2014. Por outro lado, o maior crescimento trimestral foi registrado no segundo trimestre de 2010, de 12,17%.

Tudo o que sabemos sobre:
Empresa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.