PAULO LIEBERT | ESTADÃO
PAULO LIEBERT | ESTADÃO

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Receita dá início a ‘pente-fino’ para recuperar R$ 16,8 bilhões

Um dos objetivos é combater fraudes no uso de créditos tributários, que estão sendo usados por empresas como meio de sonegação

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2016 | 20h03

BRASÍLIA - A Receita Federal deflagrou uma série de ações para reprimir irregularidades e fraudes no pagamento de tributos, praticadas sobretudo por grandes empresas. A expectativa com essas ações é recuperar R$ 16,8 bilhões, sem contar multas e juros. Em agosto, o aumento substancial no uso das chamadas “compensações” para abater dívidas tributárias – prática que anula o débito sem que haja efetivamente ingresso de dinheiro nos cofres da União – acendeu o sinal de alerta e motivou a operação do Fisco.

Um grupo especial foi criado para efetuar uma “análise de risco” dessas compensações, cruzando informações das declarações de crédito tributário com notas fiscais e dados das escriturações das empresas. A ideia era verificar se o volume de créditos reivindicado pelas companhias se justificava.

Como resultado, foram selecionados 796 contribuintes de “alto risco”, ou seja, com indicação potencial de irregularidades. Eles respondem por R$ 32,8 bilhões em créditos usados para abater dívida neste ano.

“Não sendo confirmados, haverá decisão de não homologação desses créditos. Nossa expectativa é recuperar R$ 9,5 bilhões”, disse o subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal, Carlos Roberto Occaso. Além desse valor, haverá ainda a incidência de multa, que é de 50% em geral e de 150% em casos de fraude.

A cifra, porém, deve retornar aos cofres do governo apenas a médio prazo, reconheceu o subsecretário. Isso porque os contribuintes podem contestar a cobrança. Além disso, a realização das auditorias deve se estender até o fim deste ano.

De maneira geral, grande parte dos créditos usados pelas empresas é oriunda de incentivos do governo. Mas o Fisco suspeita que algumas companhias estão abusando do planejamento tributário para sonegar. O uso de compensações aumentou 39% entre janeiro e agosto deste ano em relação a igual período do ano passado. Em termos absolutos, R$ 58,86 bilhões deixaram de entrar nos cofres do governo devido aos créditos – R$ 16,4 bilhões a mais que o valor de 2015. 

Os créditos tributários são valores devidos pelo governo aos contribuintes, seja por direito já adquirido, por terem efetuado pagamentos a valor maior, ou por alguma sentença judicial. Eles podem ser usados para abater a dívida tributária junto à Receita.

Fraudes. O Fisco também abriu investigação contra escritórios de advocacia que oferecem a clientes o uso de títulos da dívida pública para abatimento da dívida tributária. A prática é vedada por lei, mas tem sido usada para reduzir o débito das empresas. Cerca de 10 mil contribuintes já foram notificados. Eles respondem por R$ 4 bilhões em débitos sonegados.

“A fraude tem origem nesses escritórios”, afirmou Occaso. “Estamos notificando as empresas e dando prazo para que voltem à situação original. Se ela não se autorregularizar, aí sim faremos lançamento de ofício, aplicação de multas e apresentação de representação fiscal para fins penais”, explicou o subsecretário. As multas podem ir de 75% a 225% do débito sonegado.

Em outra frente de ação, a Receita implantou um novo sistema que vai agilizar a cobrança de créditos sub judice, ou seja, suspensos devido ação judicial. Ao todo, há R$ 224 bilhões em créditos suspensos, vinculados a 880 mil ações judiciais. Todas essas cobranças estão paradas, mas algumas devem ser retomadas pelo Fisco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.