Receita prevê arrecadação menor com IRPJ e CSLL

O coordenador-geral de Previsão e Análise da Receita Federal, Raimundo Eloi de Carvalho, previu hoje uma redução do ritmo de crescimento da arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) nos próximos meses. Segundo ele, o crescimento real de 25,05% na receita desses dois tributos no primeiro trimestre do ano ainda reflete o resultado "excepcional" obtido em janeiro, que não deve se manter ao longo do ano.Carvalho explicou que o resultado da arrecadação de janeiro passado foi influenciado pelo bom desempenho da economia no final do ano e pela antecipação do pagamento de ajuste anual do IRPJ e da CSLL referentes a 2007. É que as empresas são obrigadas até março a fazer o ajuste entre o imposto pago ao longo do ano anterior e o devido ao Fisco. Para evitar a correção do imposto devido pela taxa Selic, muitas empresas preferem fazer o pagamento já em janeiro."O resultado do trimestre é reflexo de janeiro. A tendência é de redução", disse o coordenador-geral de Previsão e Análise, que evitou, no entanto, antecipar as expectativas de crescimento do IRPJ e da CSLL para 2008. "Não vamos comentar. Estamos aqui para falar do resultado de março", esquivou-se.De acordo com Carvalho, o crescimento da arrecadação no primeiro trimestre foi influenciado por fatores econômicos, administrativos e de aumento de alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para compensar o fim da CPMF. Entre os fatores econômicos, citou a maior lucratividade das empresas, o crescimento do volume geral de vendas (16,2%); da produção industrial (9,2%), da massa salarial (14,59%), venda de veículos no mercado interno (28,4%) e do valor em dólar das importações (22,57%).Entre os fatores administrativos, relacionou o crescimento de 40,6% da arrecadação de multa e juros, de 5,1% na quantidade de contribuintes fiscalizados e de 97,5% no crédito tributário lançado.Carvalho ressaltou que o ritmo de crescimento caiu entre janeiro e março. Em janeiro, o aumento da arrecadação das receitas administradas pela Receita Federal foi de 20,49%. Em fevereiro caiu para 9,98% e, em março, para 7,72%. A arrecadação total no primeiro trimestre foi de R$ 161,741 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.