Receita realiza mega operação contra omissão em declarações

Em SP, cruzamento de dados localiza uso indevido de despesas e omissões na base de cálculo de contribuintes

Andréia Sadi, do estadao.com.br,

19 de fevereiro de 2008 | 15h36

Um novo sistema de cruzamento de dados levou a Receita Federal do Brasil a descobrir o uso indevido de despesas e omissões na base de cálculo de milhares de contribuintes. A informação foi dada pela assessoria de imprensa da Receita em São Paulo. A ação faz parte de uma megaoperação batizada de Gênese, que tem como objetivo combater ilícitos tributários. "Isso foi localizado (as omissões) e é um número expressivo. A Receita cruzou dados de 28 mil contribuintes ", disse um assessor.   Entre estes, foram selecionados 400 contribuintes para serem fiscalizados, de 10 setores diferentes da economia. O setor mais representado é o de prestadores de serviços, que apresentaram 233% de divergência entre um e outro valor declarado.   Veja também: O que muda na declaração do Imposto de Renda   Se essas discrepâncias passarem de indícios, que devem ser comprovados entre um período de dois a quatro meses, isso vai representar R$ 480 milhões de tributos não recolhidos. "Se somar a multa e juros, pode chegar a R$1 bilhão. Somando 10 setores, eles declararam 800 milhões e que entra pra eles como despesas", disse.   Se as denúncias forem comprovadas, os contribuintes podem ser penalizados. "O objetivo é apurar. Eles (contribuintes) podem responder à sonegação fiscal, fraude e apropriação indébita, se os indícios forem comprovados. Eles retiveram dinheiro do funcionário e não repassaram aos cofres públicos. Isso releva responsabilização criminal", disse.   Entre esta terça e quarta-feira, cerca de 200 auditores irão avisar os contribuintes que eles estão sob fiscalização. "O que significa que eles não podem retificar as declarações", conclui o assessor.           Texto atualizado às 17h10  

Tudo o que sabemos sobre:
Receita Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.