Receita teve arrecadação recorde em 2001

A arrecadação da Receita Federal em dezembro do ano passado atingiu R$ 18,279 bilhões, levando a arrecadação acumulada de 2001 ao recorde histórico de R$ 196,757 bilhões. As receitas administradas, que incluem as taxas e contribuições controladas pela Receita além do Refis, somaram, em 2001, R$ 188,797 bilhões, superando a estimativa incluída no orçamento do ano passado, que era de R$ 182 bilhões. As demais receitas, por sua vez, somaram R$ 7,960 bilhões em 2001. O valor total arrecadado em 2001 registrou, em termos nominais, um crescimento de 11,28% em relação a 2000 e um aumento real de 0,88%, considerando-se a variação do IGP-DI.Em dezembro, as receitas administradas somaram R$ 17,733 bilhões e as demais receitas, R$ 546,1 milhões. A arrecadação fechada de dezembro do ano passado cresceu nominalmente 6,62% sobre dezembro de 2000 e registrou queda de 3,43% na mesma comparação considerando-se a variação do IGP-DI.Apesar das dificuldades enfrentadas pela economia brasileira no ano passado, a arrecadação da Receita Federal em 2001 ficou bem acima do esperado pelo governo. Segundo o secretário-adjunto da Receita Federal, Ricardo Pinheiro, se esperava no início do ano passado uma arrecadação de R$ 182 bilhões de receitas administradas.Os números divulgados hoje pela Receita mostram, porém, que a arrecadação das receitas administradas, a preços correntes, chegou em 2001 a R$ 188,797 bilhões. Corrigidas pela inflação do ano pelo IGP-DI, essas receitas somaram R$ 197,604 bilhões. "Foi um resultado extremamente satisfatório", comemorou Pinheiro.O secretário atribuiu o resultado da arrecadação em 2001, mesmo em um ano difícil, ao bons fundamentos da economia, à competência do empresariado nacional e à eficiência da administração tributária no controle da fiscalização e combate à sonegação e elisão fiscal. "Os empresários conseguiram superar as dificuldades, se mexeram, buscaram novos mercados", ressaltou Pinheiro.Antecipação da crise argentinaNesse esforço dos empresários, o secretário citou um setor em particular: o automobilístico. "O setor automobilístico conseguiu se antecipar a crise Argentina e reduzir a sua dependência de exportações para aquele país buscando outros mercados", comentou. "As dificuldades da economia proporcionaram um crescimento do brasileiro e, principalmente, dos nossos empresários", acrescentou o secretário. Segundo ele, os fundamentos da economia e a política cambial deram tranquilidade para que os empresários conseguirem enfrentar os problemas do ano passado.EstimativaA Receita ainda não fez qualquer estimativa sobre qual será o efeito final para a arrecadação de tributos em 2002 da conjugação da correção em 17,5% da tabela do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e do restabelecimento do pagamento de impostos pelos fundos de pensão. "Se, por um lado, existe essa expectativa da arrecadação passada e relevante dos fundos de pensão, e o estabelecimento de um fluxo de pagamento dessas entidades (algo que não ocorria há 20 anos), por outro lado há também uma redução da arrecadação em função da correção da tabela do IR. Não posso, por essas duas razões, dizer se o saldo líquido será positivo ou não", afirmou Ricardo Pinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.