coluna

Carolina Bartunek no E-Investidor: 5 tendências prejudiciais para quem investe em ações

Recessão ‘demitiu’ funcionalismo na Europa

Segundo cálculos da entidade Initiative for Policy Dialogue, com sede na Universidade de Columbia (EUA), quase cem governos desde 2010 reduziram o valor gasto com funcionalismo

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2016 | 23h01

A pior crise econômica vivida pela Europa em 70 anos levou praticamente todos os governos a demitir funcionários públicos e, hoje, alguns países têm os menores níveis de pessoas trabalhando para o Estado desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Segundo cálculos da entidade Initiative for Policy Dialogue, com sede na Universidade de Columbia (EUA), quase cem governos desde 2010 reduziram o valor gasto com funcionalismo. Mergulhados em uma dívida que ameaçava a zona do euro, foram os governos da Europa que adotaram as medidas mais polêmicas de austeridade a partir de 2010.

O resultado, segundo a OCDE, é que todos os países da UE reduziram o tamanho do funcionalismo público entre 2008 e 2013, exceto a Suécia.

Na Irlanda, que foi obrigada a ser socorrida por um pacote de resgate, os funcionários públicos passaram de 18,3% do total de pessoas empregadas no país para 17,4% entre 2008 e 2013. Dublin ainda estabeleceu por seis anos uma moratória de contratações e foi apenas no fim de 2015 que novos postos foram oferecidos. Mesmo assim, a abertura de vagas se limitou à educação e à polícia.

No Reino Unido, o governo já deixou claro que vai continuar a enxugar o Estado e 100 mil postos de trabalho no setor público serão abolidos em cinco anos. Isso fará com que os britânicos tenham sua menor taxa de servidores estatais desde 1945. Hoje, a taxa já é de 17,2% entre todos os trabalhadores do país.

Em outros países, porém, a demissão de funcionários públicos levou a uma crise política sem precedentes. Na Grécia, o número de servidores passou de 952 mil, em 2009, para 675 mil, em 2014, uma queda de 277 mil postos de trabalho. Em Portugal, a crise levou o governo a reduzir em 8% o número de funcionários públicos entre 2012 e 2014. Na Itália, o governo planeja terminar 2016 com uma redução de 20% nos gastos com o funcionalismo em comparação ao que existia em 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.