Recessão dos EUA ainda não superada, diz assessor da Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, estaria aberto a um segundo pacote de estímulo econômico se preciso, mas no momento não parece que mais recursos são necessários, afirmou um assessor sênior da Casa Branca no domingo.

REUTERS

28 de junho de 2009 | 11h38

"Nós ainda não quebramos a coluna da recessão", afirmou o conselheiro sênior David Axelrod ao programa "Meet the Press" (encontre a imprensa) da televisão NBC. "Nós teremos que atravessar tempos muito difíceis aqui."

O presidente Obama avançou rapidamente com um controverso pacote emergencial de estímulo econômico de 787 bilhões de dólares após tomar posse em janeiro, e a Casa Branca disse na ocasião que isso impediria o desemprego de atingir taxas de dois dígitos.

No entanto, a economia enfraqueceu mais do que o estimado e a Casa Branca alertou na semana passada que o desemprego pode chegar a 10 por cento nos próximos meses, uma alta frente aos 9,4 por cento registrados em maio.

Axelrod admitiu que o emprego está mau, mas disse que estaria pior ainda se não fosse o pacote, e acrescentou que, no momento, mais recursos não parecem necessários.

"Vamos ver no outono (Hemisfério Norte) onde estamos, mas agora acreditamos que o que fizemos é adequado. Se mais for necessário, teremos essas discussão", afirmou ao ser questionado se seria necessário um segundo pacote.

(Reportagem de Alister Bull)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUAESTIMULO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.