Recessão não é admitida

A economia brasileira encolheu no primeiro semestre. Tanto no primeiro quanto no segundo trimestre, o PIB registrou variação negativa. Assim, com dois trimestres consecutivos negativos, ficou caracterizado o cenário de "recessão técnica" no Brasil. Essa condição, porém, é negada publicamente pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2014 | 02h05

Nos bastidores, o governo vem torcendo para que o terceiro trimestre apresente um número positivo, encerrando, portanto, essa recessão não admitida. Quatro pacotes com medidas para estimular a economia foram anunciados entre agosto e setembro, e o governo espera colher o resultado disso ainda neste ano. O governo Dilma vai terminar com a terceira menor média de PIB entre todos os presidentes desde a proclamação da República. Com o esperado avanço de 0,3% para este ano, o PIB terá média de 1,6% entre 2011 e 2014, maior apenas que a verificada com Floriano Peixoto (1891-1894) e Fernando Collor (1990-1992).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.