Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Recessão nas principais economias da UE piora crise no bloco

França entra oficialmente em recessão enquanto Alemanha, Espanha e Itália têm maiores retrações desde 1970

Efe, Agência Estado e BBC,

15 de maio de 2009 | 09h12

A queda do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de Alemanha e França, as principais economias europeias, e dos países que adotam o euro revela o agravamento da recessão no continente. A França entrou oficialmente em recessão com uma queda de 1,2% no PIB entre janeiro e março. A economia alemã teve um recuo histórico de 3,8% no mesmo período, a pior desde 1970. O PIB da zona do euro caiu 2,5% no trimestre e 4,6% em um ano, a maior desde 1995, quando começaram os registros.

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

A desaceleração foi maior do que a registrada no quarto trimestre de 2008, que registrou queda de 1,6% sobre o terceiro e de 1,4% na comparação anual.Dos 16 países que já divulgaram o PIB do trimestre, apenas a Eslováquia não está em recessão técnica.

Alemanha e França

A Alemanha entrou em recessão técnica (seis meses seguidos de queda do PIB) no terceiro trimestre do ano passado. No último trimestre de 2008, a economia alemã havia encolhido 2,2%. A economia alemã é baseada em exportações, que foram fortemente afetadas pela crise econômica global.

Na França, estatísticas mostram que a economia francesa caiu 1,2% no primeiro trimestre, o que já era esperado pelo governo. O setor automotivo e as exportações foram os mais afetados.

Itália e Espanha

A recessão da Itália se aprofundou no começo de 2009, com o Produto Interno Bruto registrando no primeiro trimestre a maior contração desde pelo menos 1980.

Dados preliminares da agência de estatísticas Istat mostraram que o PIB da Itália caiu 2,4% no período janeiro a março em relação ao trimestre imediatamente anterior, após contração revisada de 2,1% no quarto trimestre de 2008. Na comparação anual, o PIB encolheu 5,9% no primeiro trimestre, também a maior queda em pelo menos 29 anos, uma vez que as exportações foram atingidas pela crise econômica global.

A Espanha, que divulgou o PIB do trimestre na quinta-feira , teve a pior retração desde 1970. A queda foi de 1,8% entre janeiro e março e 2,9% na comparação anual.

Prognósticos

A principal questão levantada por analistas é se a Europa já chegou ao pior momento da crise ou se a recessão pode piorar. Técnicos da Comissão Europeia (CE), o órgão executivo da UE, reconhecem que a queda foi maior do que o previsto, mas insistem que a situação deve melhorar e que uma recuperação gradual deve começar em 2010.

"Existem alguns sinais, mas a volta do crescimento ainda está longe", diz o diretor de assuntos econômicos e monetários da CE, Joaquin Almunia.

O presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, disse em Viena que há sinais positivos de recuperação, mas que é necessário cautela. Para ele, não haverá retomada da economia enquanto os bancos não colocarem ordem em seus negócios.

"Prevemos uma retomada da conjuntura mundial para o primeiro semestre de 2010, e a virada da situação deve ocorrer em outubro, novembro ou dezembro de 2009", indicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.