Recessão nas principais economias da UE piora crise no bloco

França entra oficialmente em recessão enquanto Alemanha, Espanha e Itália têm maiores retrações desde 1970

Efe, Agência Estado e BBC,

15 de maio de 2009 | 09h12

A queda do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de Alemanha e França, as principais economias europeias, e dos países que adotam o euro revela o agravamento da recessão no continente. A França entrou oficialmente em recessão com uma queda de 1,2% no PIB entre janeiro e março. A economia alemã teve um recuo histórico de 3,8% no mesmo período, a pior desde 1970. O PIB da zona do euro caiu 2,5% no trimestre e 4,6% em um ano, a maior desde 1995, quando começaram os registros.

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

A desaceleração foi maior do que a registrada no quarto trimestre de 2008, que registrou queda de 1,6% sobre o terceiro e de 1,4% na comparação anual.Dos 16 países que já divulgaram o PIB do trimestre, apenas a Eslováquia não está em recessão técnica.

Alemanha e França

A Alemanha entrou em recessão técnica (seis meses seguidos de queda do PIB) no terceiro trimestre do ano passado. No último trimestre de 2008, a economia alemã havia encolhido 2,2%. A economia alemã é baseada em exportações, que foram fortemente afetadas pela crise econômica global.

Na França, estatísticas mostram que a economia francesa caiu 1,2% no primeiro trimestre, o que já era esperado pelo governo. O setor automotivo e as exportações foram os mais afetados.

Itália e Espanha

A recessão da Itália se aprofundou no começo de 2009, com o Produto Interno Bruto registrando no primeiro trimestre a maior contração desde pelo menos 1980.

Dados preliminares da agência de estatísticas Istat mostraram que o PIB da Itália caiu 2,4% no período janeiro a março em relação ao trimestre imediatamente anterior, após contração revisada de 2,1% no quarto trimestre de 2008. Na comparação anual, o PIB encolheu 5,9% no primeiro trimestre, também a maior queda em pelo menos 29 anos, uma vez que as exportações foram atingidas pela crise econômica global.

A Espanha, que divulgou o PIB do trimestre na quinta-feira , teve a pior retração desde 1970. A queda foi de 1,8% entre janeiro e março e 2,9% na comparação anual.

Prognósticos

A principal questão levantada por analistas é se a Europa já chegou ao pior momento da crise ou se a recessão pode piorar. Técnicos da Comissão Europeia (CE), o órgão executivo da UE, reconhecem que a queda foi maior do que o previsto, mas insistem que a situação deve melhorar e que uma recuperação gradual deve começar em 2010.

"Existem alguns sinais, mas a volta do crescimento ainda está longe", diz o diretor de assuntos econômicos e monetários da CE, Joaquin Almunia.

O presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, disse em Viena que há sinais positivos de recuperação, mas que é necessário cautela. Para ele, não haverá retomada da economia enquanto os bancos não colocarem ordem em seus negócios.

"Prevemos uma retomada da conjuntura mundial para o primeiro semestre de 2010, e a virada da situação deve ocorrer em outubro, novembro ou dezembro de 2009", indicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.