Reclame Aqui amplia serviços a empresas

O site Reclame Aqui nasceu há 10 anos como reação ao estresse vivido por seu idealizador, o empresário sul-mato-grossense Maurício Vargas. Na ocasião, ele não conseguiu embarcar em um voo da TAM e perdeu um compromisso importante em Campo Grande. Em vez de recorrer aos canais tradicionais de defesa do consumidor, Vargas resolveu criar uma página na internet para contar o episódio, o que motivou outros pessoas descontentes a postarem suas queixas no endereço eletrônico. De lá para cá, o site ganhou 3,6 milhões de usuários cadastrados e começou a competir com o Procon. "Nosso diferencial é que o Reclame Aqui resolve os problemas do consumidor mais rapidamente", diz Vargas. Em 2009, o Reclame Aqui registrou 770 mil reclamações contra 533 mil anotadas pelo Procon, com 72% e 58% de casos solucionados, respectivamente. Além de mais eficaz, o site de Vargas tem sido mais rápido na resolução das queixas. No Reclame Aqui, a média é de três dias, no Procon, o processo leva até quatro meses.

Clayton Netz, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2010 | 00h00

De acordo com Vargas, a agilidade se deve ao mecanismo do site, que repassa as reclamações para os serviços de atendimento ao consumidor das empresas. O site avalia o atendimento aos usuários e consumidores e dá nota conforme o desempenho, que vai de excelente a não recomendada. "Nenhuma empresa quer ter o seu nome associado a uma avaliação negativa, por isso tentam resolver o problema logo", afirma Vargas. Na lista das companhias que usam a plataforma do Reclame Aqui estão nomes como Gol, Fast Shop, Hering, Boticário, Nestlé e Hypermarcas, entre outros.

Ramificações. O site Reclame Aqui é uma das empresas da holding Óbvio Brasil, controlada por Vargas. A Reclame Aqui não gera lucro, mas tem o domínio da marca, que oferece serviços dirigidos às empresas. O que mais arrecada é o treinamento para empresas sobre atendimento ao consumidor. "Não existe mão de obra pronta", diz Vargas. O grupo, que deve faturar R$ 70 milhões este ano, também conta com um braço na área de comunicação, composto de jornal, TV e portal na internet, além de uma construtora.

Embalado pela aceitação do Reclame Aqui, Vargas planeja o lançamento de outros serviços até o final do ano. Entre eles, um comparador de preços, uma certificadora de atendimento às empresas, um clube de compras que garante a entrega do produto se o varejista pisar na bola, e um mediador de conflitos virtual. "No ano que vem devemos dobrar nosso faturamento", diz Vargas.

Em tempo: no próximo dia 14 de outubro, Vargas tem um compromisso inadiável, em São Paulo: uma palestra na TAM, onde tudo começou, sobre como fazer um bom atendimento ao consumidor.

LAVANDERIAS

Por que a matriz assumiu a 5àSec

Em maio deste ano, o empresário Nelcindo Nascimento, master franqueado da 5àSec, ao comentar para a coluna os bons resultados da operação brasileira da rede de lavanderias, confidenciou: "O CEO do grupo, David Sztabholz , chegou a me dizer, brincando, que precisava mudar o local da sede para cá." A história ainda não se confirmou, é certo, mas apenas quatro meses depois, a matriz francesa mostrou que a avaliação favorável descrita por Nascimento não era figuração.

Por uma quantia não revelada, o empresário entregou o controle da 5àSec brasileira a Sztabholz, que veio pessoalmente anunciar a aquisição. Com um faturamento de R$ 200 milhões previstos para 2010, a representação brasileira, com um total de 320 lojas, responde por um quarto das vendas totais do grupo, que chegaram a 300 milhões no ano passado.

AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Bematech investe nos serviços pós-venda

A paranaense Bematech, líder nacional em automação comercial, com cerca de 60% de participação de mercado, está apostando na venda da chamada manutenção estendida, serviço que previne contra possíveis problemas técnicos. De acordo com Ricardo Couto, diretor de vendas e serviços da Bematech, a empresa tem em sua carteira 400 mil potenciais clientes, composta pela rede de usuários de suas impressoras comerciais. Com receitas de R$ 388 milhões no ano passado, a Bematech lançou inicialmente, no mês de abril, o serviço para grandes clientes. Nesse período, já conseguiu conquistar quatro contas, entre elas, a da rede de fast food Burger King - comprada pelo fundo 3G Capital Management, dos empresários Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira. "Já temos engatilhados mais dez contratos com grandes redes", afirma Couto. A ideia, agora, é atrair as empresas de médio e pequeno porte.

PAGAMENTOS

TIM e Itaucard fecham parceria

A Itaucard fechou uma parceria com a TIM para oferecer cartões de crédito exclusivos para os clientes da operadora. A novidade será comunicada hoje aos 46 milhões de clientes da TIM, que receberão um comunicado sobre o cartão, que estará disponível nas bandeiras Mastercard e Visa até o final do ano. À medida que for usado, os gastos feitos com o cartão darão direito a produtos e serviços da Tim, como crédito para chamadas e aparelhos.

IMAGEM

Crises corporativas caem com melhora da economia

Caiu pela metade o número de crises corporativas noticiadas na imprensa brasileira no primeiro semestre deste ano, de acordo como o IC Crisis Index, da agência Imagem Corporativa, de São Paulo. Foram, ao todo, 154 ocorrências. Segundo a agência, a redução deve ser creditada à melhora no ambiente econômico no País. Em 2009, ainda vulneráveis em função da crise internacional, elas ocuparam o noticiário por conta de uma série de fatores, como perdas financeiras, cortes de pessoal, redução de jornada de trabalho e de salários, entre outros. "Em 2010, ao contrário, as empresas já haviam praticamente recuperado o nível de atividade anterior à crise internacional e superado as dificuldades", afirma Ciro Dias Reis, presidente da Imagem Corporativa.

TELA QUENTE

7,3 mi

de unidades é o total das vendas de aparelhos de televisão na América Latina, no segundo trimestre de 2010, segundo a consultoria de estudos de mercado Display Search.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.