Luc Gnago/Reuters
Luc Gnago/Reuters

Reconhecimento facial de vacas é a nova aposta da Cargil

A empresa americana de alimentos está apoiando uma startup irlandesa que criou um software de reconhecimento facial para aumentar a produtividade de vacas leiteiras

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2018 | 15h02

A Cargill Inc. está apoiando uma startup irlandesa que criou um software de reconhecimento facial para aumentar a produtividade de vacas leiteiras, a mais recente iniciativa da companhia americana para expandir suas atividades no campo da tecnologia agrícola.

A Cargill adquiriu uma participação minoritária na Cainthus, que utiliza técnicas de imagem e aprendizado de maquina para identificar coletar informações das vacas, desde o seu comportamento até seu apetite, afirmou David Hunt, presidente e co-fundador da Cainthus em uma entrevista por telefone. Detalhes sobre o investimento não foram revelados.

Hunt disse que sua empresa deu preferência à Cargill e não a empresas de capital de risco em razão da forte presença da companhia americana no setor agrícola. A Cargill ainda é de propriedade da mesma família que a fundou há 153 anos e uma das maiores empresas do agronegócio e produtoras de carne do mundo.

Nos últimos anos a companhia com sede em Minneapolis reformulou algumas operações e aumentou sua presença no campo da tecnologia de cultivo. No mês passado anunciou uma parceria com outras empresas para criar um acelerador que identificará novas tecnologias voltadas para os alimentos. A companhia busca avanços obtidos por outros setores que podem ser usados para superar os grandes desafios que a agricultura enfrenta hoje, como o crescimento populacional, a escassez de mão de obra rural e a preocupação dos consumidores com a fonte e o tratamento dos alimentos.

É uma questão “exercer algumas das mesmas atividades, mas de modo mais eficiente”, disse SriRaj Kantamneni, diretor gerente da área de insights digitais da companhia./BLOOMBERG

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.