coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Imagem Coluna do Broadcast
Colunista
Coluna do Broadcast
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Recovery, do Itaú, leva crédito podre do Bradesco

A compra da carteira do Bradesco reforça o 'lado independente' da Recovery, que foi questionado após a empresa mudar de mãos, passando do BTG Pactual para o Itaú

Coluna do Broad, O Estado de S. Paulo

04 de janeiro de 2018 | 05h00

A Recovery, empresa de recuperação de créditos do Itaú Unibanco, arrematou R$ 6 bilhões em operações vencidas e inadimplentes, os chamados empréstimos podres, do Bradesco. A assinatura do contrato deve acontecer ainda em janeiro após um processo de concorrência que ocorreu no mês passado e atraiu outros nomes consolidados deste setor, como RCB Investimentos, a Ativos, do Banco do Brasil, e a novata Megaware. A compra da carteira do Bradesco reforça o “lado independente” da Recovery, que foi questionado após a empresa mudar de mãos, passando do BTG Pactual para o Itaú. Ao adquirir mais esse ativo, concorrentes dizem que sua participação no mercado de crédito podre, que ainda engatinha no Brasil, teria fechado o ano ao redor dos 50%. Desde que começou a acessar o mercado de créditos podres, após integrar o HSBC, o Bradesco já se desfez de cerca de R$ 15 bilhões em empréstimos vencidos e inadimplentes. Procurados, Bradesco e Recovery não comentaram

Enquanto isso...

Já a carteira de crédito podre da Via Varejo, de mais de R$ 2 bilhões, foi comprada pela Ipanema, que tem o Santander de sócio. Batizado de “Projeto Futuro”, a operação atraiu pouco interesse dos investidores, envolvendo players como a Recovery e a RCB.

Apetite

A aquisição por parte da Ipanema chamou a atenção uma vez que após parte da empresa ter sido comprada pelo Santander, o mercado não esperava apetite para um investimento deste tamanho. A estreia da Via Varejo no mercado de crédito podre acontece em meio a um momento em que a companhia acelerou a implementação de novas estratégias. Procurada, a Via Varejo confirmou a operação.

Sorte ou azar?

Não são só as empresas estrangeiras que estão de olho na legalização dos jogos de azar no Brasil. A indústria moveleira também acompanha de perto as discussões no Congresso. Isso porque o cálculo é que a cada mil bingos abertos no País haja demanda para ao menos 600 mil cadeiras. Antes da proibição dessas casas, em 2005, havia no Brasil 1,6 mil bingos.

Mais rigor

Após pedido de vista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, no início de dezembro, a votação do projeto que autoriza a exploração de jogos de azar no País ficou para 2018. O Ministério Público Federal defende um amplo debate sobre o tema, considerado polêmico. O temor é que ao invés de engordar os cofres públicos, a proposta sirva de trampolim para a lavagem de dinheiro e a sonegação de impostos no Brasil. 

De boa

A fama do consumidor brasileiro de deixar muitas tarefas para última hora é confirmada até na contratação do seguro viagem. Em meio ao período as férias escolares, dados da adquirente Adyen e da Allianz Worldwide Partners Brasil, empresa com foco em serviços de assistência 24 horas, mostram que 16% deles deixam para contratar o serviço no dia do embarque. A maior parte das compras já é digital e cerca de 10% delas são realizadas via smartphones.

Deu ruim

As mulheres responderam por somente 22,5% das contratações de altos executivos no interior de São Paulo nos últimos anos. A conclusão é de um levantamento feito pela Exec, consultoria especializada na seleção de talentos de ponta. Nas vagas entre as primeiras posições nas empresas, o sexo feminino tem presença ainda mais tímida, com pouco menos de 4%. 

Ainda é pouco

O levantamento da Exec considerou 385 processos de contratação de profissionais entre setembro de 2014 e setembro de 2017 para cargos de alta gerência e direção, com salários que variaram entre R$ 20 mil e R$ 60 mil. Ao todo, as mulheres preencheram 40% das contratações no período, dentro de um universo de 1.500 vagas.

Errejota

O Rio Convention & Visitors Bureau tem 340 eventos programados até 2027 entre congressos, encontros, feiras e convenções. A previsão é de que, durante este período, o Rio de Janeiro receba cerca de 1,7 milhão de congressistas, movimentando a economia local em US$ 1,48 bilhão, o que implicará numa arrecadação prevista de US$ 73,7 milhões em Impostos Sobre Serviço (ISS) aos cofres municipais da capital fluminense.

Por área

A região da Barra da Tijuca e Recreio, na zona oeste da cidade, abrigará 143 eventos nesse período. O Centro da Cidade, onde está o Boulevard Olímpico, será palco de 96 eventos. Já na zona sul do Rio de Janeiro a agenda prevê 65 encontros técnico-científicos. 

 

COLABOROU DAYANNE SOUSA

Tudo o que sabemos sobre:
BradescoItaú [banco]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.