Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Recrutamento online reduz gastos de seleção em 50%

A utilização da Internet para recrutamento e seleção pode reduzir em até 50% os gastos com o processo de contratação de novos funcionários. O recrutamento online, como é conhecida a nova modalidade de recursos humanos, tem atraído cada vez mais empresas e oferece pelo menos outra vantagem em relação ao tradicional modelo de seleção por meio de currículos em papel: a diminuição do processo de 30 para 7 dias.Especialistas, porém, garantem que o recrutamento online somente é eficaz para a contratação de profissionais administrativos, operacionais e técnicos. De acordo com pesquisa realizada pelo Grupo Catho, uma das maiores consultorias de recursos humanos do País, em 1997 apenas 0,66% dos executivos contratados foram selecionados via Web. Em 2001, esse índice saltou para 50,91%. O mesmo crescimento foi registrado na utilização de sites especializados para a busca de vagas. Segundo a Catho, 6,65% dos candidatos encontraram um cargo em classificados virtuais em 1998. No ano passado, 57,69% dos candidatos utilizaram aquele serviço para recolocação.De acordo com o diretor técnico da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Enio Resende, o momento é de consolidação da ferramenta como parte intrínseca dos processos de recrutamento de novos funcionários. "O recrutamento online tem todos os ingredientes para evoluir", avalia. "Mas não vai substituir integralmente o processo corriqueiro de seleção, como a TV não substituiu o rádio", compara. O consultor da DBM, João Marcos Varella, concorda com a posição da ABRH. "Trabalhamos com alto escalão e talvez 1% dos nossos clientes tenha se recolocado via Internet", afirma Varella. Para o especialista, a Web não é o canal para localização de funcionários qualificados para postos de confiança. "Além disso, muitas vezes o processo de hunting envolve sigilo absoluto", reforça.Para o gerente de produto da Catho On-line, Celso Alexandre da Silva, a utilização da Internet para recolocação profissional traz benefícios a todas as partes envolvidas. "O candidato fica em evidência, tem acesso a inúmeras vagas e a empresa economiza tempo e dinheiro", analisa Silva. "O processo só não é eficiente para a contratação de executivos do alto escalão, quando é recomendável a contratação de um headhunter", acrescenta.Processo similarUma das pioneiras a oferecer o serviço de recrutamento e seleção via Internet, a Catho conta atualmente com cerca de 130 mil vagas on-line e 80 mil currículos cadastrados. Para clientes associados, a agência disponibiliza um cadastro com mais de 500 mil currículos e presta suporte durante a fase virtual do recrutamento. A empresa associada, que paga uma taxa mensal de acordo com o número de funcionários, contrata o sistema PS-3, software composto pelo banco de currículos, e demais etapas do processo de seleção. "É feita uma triagem eletrônica e aqueles que se encaixam no perfil requerido pela empresa recebem 3 ou 4 dos 35 testes que elaboramos para a seleção", explica o gerente.Nessa fase, valem a confiança no candidato e alguns truques para pegar os mais "espertos" no pulo. "Como os testes duram 12 minutos, tempo necessário para execução da avaliação, fica muito complicado colar", garante Silva. "Além disso, temos testes complementares que pegam os espertinhos no ato". Em caso de queda de conexão, acrescenta o gerente, o teste é reiniciado com questões diferentes. Se aprovados nos testes, os candidatos são convocados para entrevistas on-line com a contratante. "Em 7 dias a empresa já tem o funcionário definido", conclui Silva.DiferenciaisTambém em 1998, ano em que a Catho disponibilizou a ferramenta virtual de recrutamento e seleção, entrou no ar a Empregos.com.br, serviço on-line da consultoria Performance RH. Quatro anos depois, a agência virtual sabe bem a que veio: funcionar como ponto de encontro entre profissionais e empresas. "Não adianta gerar oportunidades para um único lado", afirma o diretor-executivo da Empregos, Daniel Xavier Mendes. A Empregos oferecerá a partir de julho, além das 80 mil vagas on-line e 650 mil currículos cadastrados, um sistema de banco de dados terceirizado que poderá ser utilizado no site corporativo da empresa. "As próprias empresas estão organizando seus portais para o recrutamento on-line", explica Mendes. "Assim, vamos continuar oferecendo o serviço no nosso site e vamos garantir a clientela corporativa que prefere utilizar sistemas próprios". Por enquanto, o serviço oferecido às empresas sai na faixa de R$ 35 a R$ 500.De acordo com Mendes, pesquisas realizadas pela consultoria apontam que 18% dos profissionais que disponibilizaram currículos no site foram empregados. Outros 65% participaram de entrevistas. "Mas é impossível dizer se esses números correspondem à realidade, já que dependemos do retorno do candidato quanto ao resultado do processo", explica.MediçãoA mesma dificuldade de acompanhamento é apontada pelo CEO da Curriculum.com.br, Marcelo Abrileri. "Iniciamos há pouco um levantamento dos candidatos contratados pelo site, porém dependemos de um retorno deles", afirma. De acordo com Abrileri, o êxito de uma agência virtual de recrutamento e seleção depende do tamanho do banco de currículos e, sobretudo, da qualidade dos candidatos e do serviço de busca. "Temos mais de 50 campos para preenchimento numa só pesquisa", explica. "Com isso, é possível refinar a busca e localizar os currículos que realmente interessam". Da mesma forma que as demais consultorias, a Curriculum.com.br oferece boletins mensais de recursos humanos e serviços de orientação profissional. Com mais de 480 mil currículos on-line e 3.660 vagas oferecidas, a Curriculum conta com cerca de 15 mil empresas cadastradas. "Temos uma ferramenta muito eficiente", diz Abrileri. "Basta o mundo descobri-la". Leia mais sobre Tecnologia da Informação no AE Setorial, o serviço da Agência Estado voltado para o segmento empresarial.

Agencia Estado,

11 de junho de 2002 | 13h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.