Recuo do desemprego reflete menor procura por vaga

A queda da taxa de desemprego apurada pelo IBGE nas seis principais regiões metropolitanas do País, para 7,4% em dezembro, ante 8,2% em novembro, respondeu a menor procura por uma vaga no mês, segundo o gerente da pesquisa mensal de emprego do instituto, Cimar Azeredo.Ele explicou que dezembro é um mês com componente sazonal muito forte e no qual a taxa cai ou por causa do aumento de geração de vagas temporárias, ou porque as pessoas desistem de procurar emprego na última semana do ano. Em 2007, foi a falta de procura que marcou a queda na taxa, já que o número de ocupados ficou praticamente estável (-0,3%) ante novembro e o número de desocupados (sem trabalho e procurando emprego) caiu 10,8% no período.Segundo Azeredo, é possível que as contratações de final de ano tenham sido, em grande parte, antecipadas nos meses de outubro e novembro, quando houve acréscimos da ocupação ante o mês anterior.ComércioApesar da pequena queda no número de ocupados em dezembro ante novembro, o comércio manteve a tradição como principal segmento de atividade gerador de vagas no mês. A ocupação no comércio subiu 2,7% em dezembro ante novembro e aumentou 4,4% na comparação com dezembro de 2006.Carteira assinadaPara Azeredo, além da queda na taxa de desemprego, os dados mais positivos do mercado de trabalho em dezembro dizem respeito à formalidade e ao rendimento. O número de trabalhadores com carteira assinada prosseguiu com forte alta ante igual mês do ano anterior (7%), apesar do pequeno recuo ante novembro (-0,8%). "A tendência permanece claramente de alta", disse Azeredo.No que diz respeito ao rendimento médio real dos trabalhadores, houve expansão de 0,9% ante novembro e de 2,3% na comparação com dezembro de 2006. Para Azeredo, a continuidade da trajetória de expansão da renda responde à maior formalização do mercado de trabalho e, ainda, "ao cenário econômico mais favorável".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.