Recuo dos serviços reforça prognósticos pessimistas

Se os dados negativos da indústria e do varejo já davam uma ideia do grau de retração da economia, os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE reforçaram os prognósticos pessimistas. A receita nominal do setor de serviços, que responde por cerca de 2/3 do PIB, caiu de 1,8%, em janeiro, para 0,8%, em fevereiro, a menor taxa mensal da série iniciada em 2012. Em 12 meses, até fevereiro, a receita nominal de serviços em geral subiu apenas 4,7%, inferior aos 6% registrados em 2014, quando o PIB cresceu à taxa ínfima de 0,1%.

O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2015 | 02h02

O setor se ajusta após o crescimento rápido do início da década, quando a melhora da renda de parte da população favoreceu o acesso a diversos tipos de serviços.

Em fevereiro, houve queda mais acentuada em transportes e serviços auxiliares e correio (-1,9%), mas não de transporte de passageiros. As despesas de transporte urbano dos trabalhadores são inevitáveis e o transporte aéreo doméstico de passageiros cresce há 17 meses consecutivos, segundo levantamento da agência reguladora (Anac).

Tudo indica, assim, que a queda nos transportes se deveu à baixa demanda da indústria para levar seus produtos aos centros de consumo e do comércio, que evitam estoques excessivos. Importações e exportações têm caído, em valor e volume. Contribuiu para a queda a greve dos caminhoneiros, com menos bens para transportar, diesel mais caro e fretes insatisfatórios. Os Correios são afetados pela internet e pela menor demanda de envio de encomendas.

O que sustentou o setor entre fevereiro de 2014 e fevereiro de 2015 foram os serviços prestados às famílias (+6,8%), profissionais e administrativos (+3,6%) e de informação e comunicação (+0,6%). Mas os serviços às famílias vêm caindo desde 2014, embora menos do que a média. Em 2013 e 2014, esses serviços cresceram 10,3% e 9,2%.

De qualquer forma, o crescimento mais baixo dos serviços pode ser atribuído, em grande parte, à menor demanda.

Assim, muitos prestadores de serviços reduzem preços para conservar a clientela, que tem menos dinheiro no bolso para gastar. Com crescimento apenas nominal da receita, pequenos estabelecimentos tiveram de fechar as portas ou se adaptar a instalações menores, caso dos salões de beleza.

Se há um aspecto positivo, é que os preços dos serviços poderão entrar numa fase de moderação, contribuindo para um arrefecimento dos patamares da inflação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.