Recuo esperado da inflação em 2022
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Recuo esperado da inflação em 2022

Um dos destaques negativos na economia brasileira em 2021, a inflação de dois dígitos parece estar com os dias contados

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2021 | 18h30

A surpresa econômica negativa de 2021 foi essa inflação que saltou em 12 meses de 4,5%, em dezembro de 2020, para algo acima dos 10%.

Mas é um impacto que tende a cair à metade ao longo de 2022. A evolução mais baixa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) deste mês, saindo de 1,17% em novembro para 0,78% em dezembro, já parece indicação disso. As últimas projeções do Boletim Focus, do Banco Central (BC)para o índice oficial de inflação de 2022 foi de 5,03%, ainda fora do teto da meta do regulador

Nos seus fundamentos, a alta de preços de 2021 não foi como a que prostrou o País nas décadas de 70 e 80. Não foi uma inflação de demanda, no sentido de que não foi produzida por aumento da procura por mercadorias e serviços acima da capacidade de oferta da economia. Os preços começaram a subir, empurrados pelo aumento de custos, que não atingiu apenas o Brasil, mas atacou todos os países ricos.

Essa inflação de custos aconteceu porque a pandemia desorganizou os fluxos globais de mercadorias e serviços. Navios cargueiros ficaram parados nos portos por conta das medidas de isolamento social. Com isso, foi rompida a prática just in time, que é a arrumação do setor produtivo que há décadas opera com estoques mínimos para receber peças, componentes e serviços apenas na linha de montagem. Quando a produção foi retomada, faltou de tudo. Os estoques, inclusive os de petróleo, tiveram de ser recompostos. Como fogo e vento morro acima, os preços dispararam.

A hipótese de que essa inflação deveria ser revertida rapidamente no Brasil, a partir da normalização dos fluxos de produção e distribuição, não levou em conta que bastou a estocada primária de preços para que velhos mecanismos de indexação (correção automática de preços e salários com base na inflação passada), que andavam adormecidos, voltassem a agir. A inflação mais forte colocou em movimento a corrida geral para restabelecer poder aquisitivo (conflito distributivo).

Em princípio, inflação de custos não se combate com alta dos juros, que nada mais é do que redução de moeda na economia para que menos crédito e menos meios de pagamento contenham a demanda.

Até março, o Banco Central não entendeu que deveria aumentar os juros básicos (Selic). Foi uma omissão fatal porque os mecanismos da indexação se espalharam. O Banco Central correu atrás do prejuízo, mas não a ponto de voltar a ancorar a expectativa dos fazedores de preços.

Os juros básicos, que podem atingir os 11,75% ao ano, devem brecar a atividade econômica, num ano delicado por causa das eleições. 

Mas a inflação de dois dígitos parece com os dias contados. Os preços das commodities estão relativamente estáveis ou em queda forte, como é o caso do petróleo. O maior fator de incerteza sobre a produção e sobre os preços é o impacto da variante Ômicron

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.