Recuo nos preços atacadistas levaram à queda da prévia do IGP-M

Segundo a Fundação Getúlio Vargas, influência do atacado foi preponderante, devido ao peso do setor, que representa 60% do total do IGP-M

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

21 de junho de 2011 | 12h29

Quedas "disseminadas" nos preços atacadistas conduziram à taxa negativa de 0,21% na segunda prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de junho, segundo o coordenador de Análises Econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros. De acordo com ele, embora a queda de 0,15% nos preços do varejo também tenha contribuído para o recuo na segunda prévia, a influência do atacado foi preponderante, devido ao peso do setor, que representa 60% do total do IGP-M.

Os preços no atacado caíram 0,54% na prévia de junho, após subirem 0,40% na segunda prévia de maio. De acordo com o especialista, a desaceleração de preços no setor industrial (de 0,90% para 0,16%) foi mais importante do que a intensificação da queda de preços no setor agropecuário (-0,93% para -2,47%)na formação da queda de preços atacadistas.

Quedas intensas nos preços do álcool têm contribuído de forma decisiva na formação de taxas negativas no atacado, dentro do setor industrial, devido à melhor oferta de cana, atualmente em período de safra. No cálculo da FGV, o álcool anidro é considerado dentro do setor industrial, por ser usado na formação da gasolina. Quadros lembrou que, no início do ano, houve aumentos de preços sucessivos no álcool, cuja oferta foi prejudicada por uma dura entressafra na cana de açúcar. "O álcool foi destaque, mas não é o único produto que está mostrando queda de preços no setor industrial. Tivemos, no setor industrial, um cenário de quedas e desacelerações praticamente generalizadas, que vão desde artigos de vestuário até indústria química", resumiu o especialista.

Mas o setor agropecuário atacadista também contribuiu bastante para o cenário de queda na segunda prévia do IGP-M, de acordo com o especialista. Quedas e desacelerações nos preços das commodities agrícolas no cenário internacional derrubaram preços de itens importantes, como algodão em caroço (-11,22%); e bovinos (-2,69%). Além disso, o comportamento de deflação no setor agropecuário atacadista (-2,47%) tem contribuído para derrubar os preços dos alimentos no varejo (-0,81%). "No varejo, as maiores contribuições para esta deflação de 0,15% na segunda prévia do IGP-M foram alimentos e combustíveis", acrescentou o especialista, lembrando que, com o preço do álcool em queda no atacado, isso ajudou a reduzir o preço da gasolina (-3,37%); e álcool combustível (-16,43%) junto ao consumidor.

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoatacadoIGPM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.