Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Recuperação começou mas crescimento será fraco, analisa FMI

Economias enfrentarão dificuldades para retomar crescimento "normal" por causa da demanda enfraquecida

Regina Cardeal, da Agência Estado,

18 de agosto de 2009 | 12h53

O economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Olivier Blanchard, acredita que a recuperação da economia global começou, mas alerta que o caminho de crescimento antigo talvez não seja retomado. "A crise deixou cicatrizes profundas, o que afetará tanto a oferta quanto a demanda por muitos anos à frente", escreveu Blanchard em artigo que será publicado nesta quarta-feira, 19, na revista Finance & Development, do FMI. Mesmo quando a recuperação estiver firme, "a produção potencial poderá ficar abaixo do que estava antes da crise", afirma o economista.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

As economias podem enfrentar dificuldades para voltar ao crescimento "normal" por causa da demanda enfraquecida, acrescenta. Mesmo o retorno do crescimento não será suficientemente forte para reduzir o desemprego, diz Blanchard, que prevê que o desemprego não atingirá seu ponto mais alto até o próximo ano.

 

Blanchard destaca que os sistemas financeiros em muitos países avançados continuam disfuncionais e alertou que levará tempo para que eles encontrem sua nova forma. Ele acredita que o fluxo de capitais, que sofreu forte recuou durante a crise financeira, levará anos para ser retomado.

 

Além disso, Blanchard sugere que as pessoas aceitem a ideia de um aumento na tributação, afirmando que isso "é inevitável".

 

Ele manifestou seu apoio às ações de governos para responder à crise com estímulo fiscal, mas alertou que estas medidas provavelmente não poderão ser mantidas por muito tempo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
CriserecuperaçãoFMIcrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.