Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Recuperação da economia brasileira se deve a uma combinação de estímulos; leia análise

Efeito defasado da política monetária, forte crescimento da economia mundial e reversão do aumento da poupança das famílias ajudaram no crescimento do PIB

Mário Mesquita*, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2021 | 04h00

O Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre consolida a recuperação da economia brasileira, depois do choque ocasionado pela chegada ao País da pandemia de covid-19, no fim do primeiro trimestre de 2020. A expansão observada no primeiro trimestre do ano coloca o nível do PIB virtualmente em seu patamar pré-pandemia (isto é, o do último trimestre de 2019).

Como antecipado por indicadores setoriais, a recuperação tem sido heterogênea, e as diferenças são explicadas pela sensibilidade de cada setor ou atividade em relação à pandemia.

O PIB do setor de serviços ficou cerca de 2% abaixo do patamar pré-covid, mas com grande variância dentro do setor (por exemplo, atividades imobiliárias ficaram 5% acima do patamar anterior à pandemia, ao passo que serviços de educação e saúde públicas se situaram 4,5% abaixo do mesmo, e outros serviços, que incluem hotéis, bares e restaurantes, tiveram contração de 9,5%). 

Já o PIB industrial mostrou expansão próxima a 2%, e o agrícola crescimento de 6%, em relação aos níveis anteriores à pandemia.

Se considerarmos a comparação trimestral, do lado da oferta, o destaque foi o setor agrícola, com alta de 5,7%, enquanto o investimento, com expansão de 4,6%, liderou o PIB pelo lado da demanda. Ambos refletem, em alguma medida, o desempenho favorável dos preços de matérias-primas observado desde meados de 2020.

A recuperação da economia brasileira no primeiro trimestre se deve a uma combinação de estímulos, notadamente o efeito defasado da política monetária, o forte crescimento da economia mundial, que ajuda a sustentar os preços de matérias-primas, e à reversão do aumento da poupança das famílias observado no ano passado.

O dado do PIB do primeiro trimestre gera viés de alta para nossa projeção de crescimento, de 5,0% no ano. Os riscos a serem monitorados são, claro, a própria evolução da pandemia de covid-19 e, também, a possível restrição à oferta de energia elétrica. 

Resumindo, a retomada em 2021 está bem mais próxima de ser em “V”, do que em “U”. Já a perspectiva para 2022 é mais complexa, pois teremos uma economia com os mesmos problemas fiscais, menos estímulo monetário e impulso externo mais moderado.

*ECONOMISTA-CHEFE DO ITAÚ UNIBANCO 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.