Recurso é insuficiente para aumentar a safra, diz CNA

Segundo Confederação, liberação de recursos na safra 2008/09 não resultará em aumento da produção agrícola

Fabíola Salvador, da Agência Estado,

20 de junho de 2008 | 14h28

O presidente da Comissão Nacional de Crédito Rural da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Carlos Sperotto, afirmou nesta sexta-feira, 20, que a liberação de R$ 65 bilhões em recursos com taxa de juro livre e controlada para a agricultura comercial na safra 2008/09 não resultará em aumento da produção agrícola. A liberação foi anunciada ontem pelo ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes. "A liberação de R$ 65 bilhões não permite o aumento da produção agrícola, como quer o governo. Os custos de produção subiram muito no acumulado dos últimos meses", afirmou ele, lembrando que os preços dos insumos agrícolas tiveram valorização de 150% desde o período de plantio da safra atual (2007/08). Por causa do aumento dos custos de produção, principalmente pela valorização dos preços dos fertilizantes, a CNA havia pedido ao ministro Stephanes a liberações de R$ 110 bilhões para plantio da nova safra. "Hoje não existe agricultura sem fertilizante e defensivo. Esses produtos têm subido de uma forma anárquica, incontrolável", afirmou. Além disso, os produtores haviam pedido a redução das taxas de juros dos empréstimos, possibilidade negada pelo governo. Sperotto disse que a liberação de recursos em volume inferior às necessidades dos produtores é um "desperdício". "Só o Brasil tem condições de elevar sua produção agrícola", comentou. Ele lembrou que o Brasil tem uma das maiores áreas disponíveis para a produção de alimentos. Segundo Sperotto, dos 851 milhões de hectares que o Brasil tem, 55 milhões estão sendo utilizados para produzir 143 milhões de toneladas. "Ainda temos uma reserva de 71 milhões de hectares disponíveis sem mexer na Amazônia", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
AlimentosProdução Agrícola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.