Recurso para política industrial será de R$ 14,5 bi, diz Furlan

O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, iniciou hoje a exposição sobre a política industrial, tecnológica e de comércio exterior, que será adotada pelo governo. O ministro salientou que o conjunto de ações que será divulgado hoje não integra um pacote fechado e continuará a ser discutido com todos os setores envolvidos. De qualquer forma, os recursos já foram anunciados: R$ 550 milhões a serem alocados ainda em 2004, de fontes orçamentárias e não orçamentárias; e R$ 14,5 bilhões de instituições como BNDES, Finep e Banco do Brasil. O documento distribuído pela Assessoria do governo a respeito da política industrial informa que as ações terão como eixo central a inovação tecnológica, tanto em setores tradicionais quanto nos considerados estratégicos. Na próxima fase da política industrial, as ações vão se desdobrar em novas medidas dos organismos governamentais em diálogo com o setor privado e a comunidade acadêmica. Necessidade de crescer Furlan disse ainda que a política não é de apenas um ministério, mas de todo o governo. Segundo ele, a necessidade da política industrial existe porque o presidente disse que o País tem pressa de crescer. "E o crescimento não tem contradição com a estabilidade econômica e já temos plena capacidade de recuperar a aceleração da economia", disse o ministro.

Agencia Estado,

31 Março 2004 | 12h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.