Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Rede Elektra acusada de abuso em cobrança

Clientes inadimplentes reclamam de métodos truculentos do grupo

Angela Lacerda, O Estadao de S.Paulo

11 de agosto de 2009 | 00h00

A rede mexicana Elektra, do bilionário Ricardo Salinas, está sendo acusada de constranger clientes inadimplentes em Pernambuco com atos como violação de domicílio e ameaças de retomada de bens adquiridos. Alvo de dois inquéritos policiais - que envolvem 38 reclamações - a rede chegou ao Brasil em março do ano passado, com a promessa de revolucionar o varejo popular. Por meio do Banco Azteca, que também pertence ao Grupo Salinas, a rede financia a compra de bens para clientes que não têm como comprovar renda nem têm acesso a crédito bancário.Em suas denúncias, moradores de bairros de várias regiões do Recife e de municípios metropolitanos que estão com as prestações semanais em atraso contam que receberam a visita de um grupo de pessoas vestidas de preto que ameaçaram levar algum bem como forma de garantir o pagamento atrasado. Outros relatam que tiveram a residência invadida e que os bens adquiridos nas lojas Elektra foram apreendidos. Ainda de acordo com os depoimentos, os representantes da rede mexicana falavam espanhol ou "portunhol". A delegada do Consumidor Tânia D?able, que recebeu 33 denúncias, entendeu haver evidências suficientes para instaurar inquéritos contra as três empresas do grupo: o Banco Azteca, as lojas Elektra e a EKT Serviços de Cobrança. Ela afirma que as cobranças deveriam seguir um rito que inclui carta cobrança, aviso por telefone (sem ameaça) e cobrança judicial. A delegada afirma haver reclamações similares em outras delegacias do grande Recife.Procurado, o Grupo Salinas disse lamentar profundamente as denúncias e informou já ter iniciado investigações internas para "identificar algum equívoco porventura ocorrido". Por meio de sua assessoria de comunicação, o grupo afirmou que considera as denúncias - "três dezenas em mais de 30 mil clientes" - "completamente inusitadas" e que elas estão sendo encaradas com seriedade. "Procuraremos esclarecer tudo, checando todas as instâncias administrativas, seus procedimentos e apurando detalhadamente os fatos relatados."O grupo mexicano possui 18 lojas da rede Elektra e uma agência do Banco Azteca em Pernambuco. O plano da companhia, anunciado durante a inauguração da primeira loja, em um evento que contou a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, era de inaugurar 50 lojas Elektra e 50 agências do Banco Azteca nas regiões Nordeste e Norte até o final de 2009. De acordo com a assessoria de comunicação do grupo, as metas estão dentro do previsto e as unidades em operação no País "são absolutamente exitosas, superando as melhores expectativas". Num prazo de cinco anos, a meta era ter em torno de mil pontos de vendas das lojas e do banco no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.