Helvio Romero
Modelo é adequado à crise, afirma Kamada Helvio Romero

Rede Hirota traz ao Brasil loja de conveniência no estilo japonês

Varejista investirá R$ 40 milhões no projeto, que prevê a abertura de 50 unidades na cidade de São Paulo em cinco anos

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2016 | 12h29

SÃO PAULO - Um dos cartões postais da cidade de São Paulo, o edifício Itália, localizado no entroncamento das avenidas Ipiranga e São Luís, passou a abrigar uma loja de supermercado de vizinhança no piso térreo. A terceira unidade do Hirota Food Express certamente surpreenderia os idealizadores do projeto arquitetônico do início dos anos 1950 e que representou a ascensão social e econômica dos imigrantes italianos, num território marcado por luxo e glamour.

Também surpreenderia o imigrante japonês Katsumi Hirota, fundador da rede que leva seu sobrenome, falecido seis anos atrás e que ingressou no País para trabalhar na lavoura de café. Ele não poderia imaginar onde chegaria a pequena mercearia aberta nos anos 1970, na zona sul de São Paulo.

Essa unidade é o pontapé inicial de um plano ambicioso de expansão. A rede quer abrir 50 lojas de conveniência no modelo japonês, chamado de Konbini, em cinco anos na cidade de São Paulo. A expectativa é que 20 lojas sejam inauguradas no ano que vem, com a admissão de 300 trabalhadores. Neste ano já foram três: além da unidade do edifício Itália, uma na avenida Paulista e outra no shopping Eldorado.

“Esse modelo é adequado à crise e ao estilo de vida do paulistano”, diz Leandro Kamada, gerente de novos negócios e neto do fundador. O investimento total estimado nesse projeto é de quase R$ 40 milhões, o equivalente ao que seria gasto para erguer de duas a três lojas tradicionais de supermercado. A expectativa é que o faturamento da empresa cresça 300% no ano que vem, puxado pelas lojas de conveniência e que esse formato responda por metade das vendas ao final de cinco anos. A outra metade viria das lojas de supermercados.

A empresa não revela o faturamento. Mas, nas contas de especialistas do varejo, a receita da rede hoje seria de R$ 400 milhões por ano com 15 lojas de supermercados. Com esse faturamento, a empresa estaria entre as 200 maiores do setor supermercados no País.

Konbini. O modelo de conveniência japonês são lojas pequenas, com 150 a 300 metros quadrados, localizadas em regiões com grande fluxo de pessoas em áreas centrais. Em Tóquio há 4 mil lojas no formato konbini. Eugênia Fonseca, gerente da empresa, explica que esse formato é diferente das lojas dos concorrentes em operação no País. No Japão, a loja de conveniência é um lugar onde o consumidor pode se encontrar de tudo e com uma grande oferta de pratos prontos e saudáveis. “É onde você pode resolver a vida”, diz ela. Na sua avaliação, as lojas concorrentes em operação hoje em São Paulo são “mais do mesmo”. Isto é, reproduzem em menores proporções o que já é oferecido num supermercado tradicional.

Para dar suporte a esse modelo, a empresa investiu numa cozinha industrial, com 150 profissionais da área de nutrição. Até a importou do Japão uma máquina para fazer sushi. A cozinha tem capacidade para produzir pratos para abastecer 30 lojas de conveniência e não se restringe à culinária japonesa.

Além da comida pronta fresca, Eugenia ressalta que o outro pilar de diferenciação do projeto é a grande oferta de produtos orientais. Os produtos orientais representam 6% do faturamento da varejista e cresceram na casa de dois dígitos nos últimos três anos. A intenção é atrair o público que tradicionalmente vai ao bairro paulistano da Liberdade comprar produtos orientais.

Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) avalia positivamente a estratégia da empresa. “Uma rede desse porte ou se diferencia com esse modelo de loja de conveniência ou acaba sendo engolida pela concorrência.” Ele destaca que esse caminho de enfatizar a venda de produto étnicos e uma tendência mundial e no caso do Brasil vem a calhar. “Hoje existe mais restaurante japonês no País do que churrascaria.”

Em relação às lojas de conveniência, Terra diz que o grande número de mulheres trabalhando fora amplia a necessidade das compras de última hora e de pratos prontos. Além disso, com a crise, abrir lojas menores em pontos centrais da cidade ficou mais fácil por causa da crise, uma vez que aluguel desses pontos até pouco tempo atrás estava muito elevado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Supermercado Hirota passa a contar com lojas Daiso

Parceria com a rede japonesa partiu do Hirota que viu nessa estratégia uma forma de ampliar a quantidade de produtos orientais para se diferenciar da concorrência

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2016 | 12h33

Desde 2003 o supermercado Hirota tem uma parceria fechada com a gigante japonesa do varejo Daiso, rede especializada em vender produtos por um preço único ao custo de 100 ienes ou centavos de dólar. Mas a associação com a empresa brasileira só veio a público em 2012, quando a Daiso estreou no País com as suas lojas próprias. A partir desse ano também começaram a ser montadas lojas Daiso dentro das lojas de supermercado Hirota.

A iniciativa de buscar a parceria com a rede japonesa partiu do Hirota que viu nessa estratégia uma forma de ampliar a quantidade de produtos orientais para se diferenciar da concorrência.

“Hoje 30% dos clientes que passam por dia no caixa do supermercado compram um produto Daiso”, diz a gerente de marketing do Hirota, Eugênia Fonseca. Ela explica que a Daiso é como se fosse um fornecedor do Hirota. A empresa compra da gigante japonesa os produtos e os revende na sua loja dentro de um local específico dentro das lojas de supermercados, inclusive com a bandeira Daiso sinalizado essa loja dentro de outra loja.

Os produtos coloridos e diferenciados e o preço varia de R$ 6,99 a R$ 19,99, sendo que mais da metade custa entre R$ 7,99 e R$ 8,99.

Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) define o mix de produtos da Daiso como sendo “aqueles que o consumidor não precisa, mas quer ter”. É a verdadeira compra por impulso, de quem vai ao supermercado fazer a despesa do mês e acaba sendo seduzido por itens bonitinhos, fofinhos e baratinhos.

São produtos para casa, para cozinha, de uso pessoal e até para animais de estimação, todos de fabricados no oriente. Entre os campeões está a esponja de melamina que limpa tudo: do tênis ao azulejo de banheiro, apenas umedecida com um pouco de água.

Terra observa que abrir uma loja Daiso dentro da loja Hirota é uma forma inteligente de expandir, mas com custos de ocupação reduzidos. Hoje a Daiso tem tres mil lojas no Japão e 1,5 mil no exterior. No Brasil, além de estar presente nos 15 supermercados Hirota, a rede tem 13 lojas próprias em São Paulo. Procurada, a direção da Daiso no Brasil não quis falar sobre os planos da empresa para o País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.