Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Rede varejista do Piauí boicota produtos Philips

O grupo piauiense Claudino, que era o quinto maior comprador de produtos da Philips no Brasil, mandou suspender as compras dos produtos da empresa e retirar todos os aparelhos da Philips que estavam sendo vendidos no Armazém Paraíba, a loja de departamentos do grupo. A decisão da diretoria do Grupo Claudino, um dos maiores do Nordeste, foi tomada depois que o presidente da Philips do Brasil, Paulo Zottolo, declarou, em entrevista ao jornal Valor Econômico, que se o Piauí deixasse de existir ninguém ficaria chateado.Um dos diretores do grupo, João Claudino Júnior, confirmou a informação. Ele disse ter recebido ligações do próprio presidente da Philips pedindo para que a decisão fosse reconsiderada, mas que preferiu mantê-la. Procurada, a Philips informou apenas que Paulo Zottolo estava viajando.Zottolo chegou a enviar uma carta com pedido de desculpas ao governador Wellington Dias para se redimir do que tinha dito, mas aparentemente o pedido não foi suficiente. A idéia de um boicote aos produtos Philips vem se disseminando entre os empresários do Estado. Zottolo também se ofereceu para ir ao Piauí conversar com os empresários e com o governador para pedir desculpas pessoalmente. Mas, segundo Claudino, teria sido aconselhado a não viajar ao Estado. A reação popular contra as declarações de Zottolo têm sido fortes.Entidades estudantis organizaram na semana passada um boicote e quebraram produtos Philips em praça pública. Outros empresários da região Nordeste também anunciaram que farão o boicote em solidariedade ao Piauí. Eles esperam que a Philips faça uma retratação, não apenas com uma nota pública de desculpas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.