finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Redução da dívida da Grécia deve ser vista como caso único, afirma Trichet

Líderes aprovaram corte de 50% no valor dos bônus gregos com os bancos privados 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

31 de outubro de 2011 | 10h50

LONDRES - O perdão de parte da dívida da Grécia (o chamado "haircut parcial") não deve ser repetido por qualquer outro país da zona do euro, afirmou Jean-Claude Trichet, no seu último dia de mandato como presidente do Banco Central Europeu (BCE), após 8 anos no cargo. Segundo Trichet, que será substituído pelo o presidente do Banco Central da Itália, Mario Draghi, a Grécia precisa ser vista como um caso extraordinário.

Na semana passada, os líderes da zona do euro fecharam um acordo, segundo o qual a Grécia terá um corte nominal de 50% no valor de face nos seus bônus detidos por investidores privados.

"É da responsabilidade dos países, individualmente, serem totalmente consistentes com o que eles dizem, ou seja, que a Grécia foi a Grécia, todo mundo reconhece que é um caso extraordinário", disse Trichet em uma entrevista publicada no site da BBC hoje.

Trichet negou que seja humilhante para os países da zona do euro a procura por investimento da China na sua dívida soberana. "Estamos todos no mercado global, estamos todos interligados", disse ele. "É uma forma normal de negociar."

O presidente do BCE disse também que a economia da Grécia deveria ter sido mais atentamente avaliada antes de se juntar à zona do euro em 2001.

Ele afirmou que a Grécia não cometeu nenhum erro ao lidar com a crise da dívida soberana da zona do euro, acrescentando que os erros foram feitos por governos e investidores.

Na mesma entrevista, Trichet disse que os governos, e não os bancos centrais, são responsáveis pela manutenção da estabilidade financeira. "É preciso cuidado, porque não é nosso trabalho assegurar a estabilidade financeira no âmbito soberano - é seu: individual e coletivamente", disse Trichet, dirigindo seus comentários aos líderes do governo.

"Não há decisão fácil para um banco central em nenhum momento", afirmou Trichet. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.