Redução da Selic atenua efeitos da política, diz Skaf

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, disse hoje que a expectativa é de que a taxa Selic entre em uma trajetória de queda a partir da próxima reunião do Copom, em julho. A manutenção dos juros, ontem, já é um primeiro passo nessa direção, avaliou. Para ele, diante do cenário de turbulência política, que atrapalha a economia, a queda nos juros ajudará a recuperar um pouco a atividade. Skaf reiterou que a economia desaqueceu, o PIB desacelerou e a produção industrial já sofre retração, resultados da política de alta dos juros iniciada em setembro passado.Para ele, o primeiro impacto da manutenção dos juros será nos gastos públicos, cuja redução é uma das bandeiras da entidade como instrumento para juros menores.O presidente da Fiesp, que na segunda-feira passada reuniu um grupo de grandes empresários para discutir os temas nacionais, ressaltou que os empresários não vão deixar de trabalhar por conta da crise política. Não podemos permitir que a dinâmica interna da política interfira no andamento do dia-a-dia, do crescimento do Brasil, disse. E completou: O País não pode parar por causa de uma dúzia de pessoas. Somos 180 milhões de brasileiros.Skaf repetiu o que vem dizendo em relação à crise política: Precisamos fortalecer as instituições democráticas e apurar os fatos com rigor. Ele defendeu a aplicação de punições exemplares para aqueles que comprovadamente estão envolvidos em corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.