coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Redução de acidentes será premiada com aumento de tarifa

Bônus para as concessionárias será de até 2%, como estímulo a investimentos que aumentem a segurança

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2013 | 02h08

Os novos concessionários de rodovias federais poderão aumentar as tarifas em até 2% como bônus pela redução de acidentes. "É um estímulo para pequenos investimentos que aumentarão a segurança", explicou o diretor-geral da Empresa Brasileira de Projetos (EBP), Hélcio Tokeshi.

Por outro lado, para evitar o que ocorreu com as rodovias leiloadas no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), que atrasaram os investimentos prometidos, as novas concessões terão um conjunto de parâmetros e metas, cujo descumprimento implicará num reajuste menor de tarifa.

"Será de uma forma bem automática, com pouca margem de discricionariedade, para que as punições sejam efetivamente aplicadas." Se tudo correr como o planejado, rodovias como a BR 163, em trechos no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, estarão duplicadas e monitoradas por câmeras em menos de uma década.

"Tudo vai ser leiloado neste mandato da presidente Dilma Rousseff", garantiu Tokeshi, minimizando os atrasos. Os concessionários terão cinco anos para duplicar as rodovias.

Taxa de retorno. O diretor-geral da EBP também relativizou o impacto da decisão do governo de elevar a Taxa Interna de Retorno (TIR) das rodovias de 5,5% para 7,2%. "Essa é só uma das dezenas de premissas que formam a tarifa", comentou.

Tokeshi explicou que, assim como a taxa interna de retorno dos empreendimentos afeta a rentabilidade do concessionário, essa também pode ser modificada pelo preço que ele pagará pelo asfalto, a qualidade do piso, o salário que será pago aos motoristas das ambulâncias que ele será obrigado a manter na rodovia, entre outros. / L.A.O.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.