Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Redução de custo, o apelo da automação

Associação do setor calcula que de 20% a 25% dos lançamentos de imóveis em São Paulo trazem tubulação seca para receber os sistemas

HERALDO VAZ , ESPECIAL PARA O ESTADO , O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2014 | 02h17

O segmento de residenciais entrou no alvo da Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside), que defende eficiência energética em áreas comuns dos prédios com uso de sistema integrados para racionalizar o consumo de água e luz. A meta é reduzir a taxa de condomínio.

"Estamos entrando na área de operação e manutenção", afirma o diretor-executivo da Aureside, José Roberto Muratori, de olho nas áreas de convivência, como playground, piscinas, salão de jogos, que, segundo ele, estão abandonados do ponto de visa da automação. "Os custos condominiais estão subindo e os prédios não são eficientes como poderiam."

A automação, segundo Muratori, era só pensada para projetos corporativos, shopping center e hotéis. "Os residenciais ficavam na zona cinzenta", afirma. "Agora, a associação está focada em áreas comuns. Com isso, traz para o mercado um tipo de consumidor não tão ligado em conforto", diz. "É o apelo da economia e da eficiência." E ironiza: "Não estamos só tratando de automação nas casas onde o cliente pega o tablet, apaga luz e mostra o cenário para o cunhado".

"Há muitos componentes que a automação consegue enxugar para reduzir o custo geral do edifício", comenta, enfatizando que a Aureside lançou o projeto prédio eficiente em março. São razões básicas: o aumento do número de prédios sustentáveis (novos ou retrofits), os custos de manutenção em alta e a mudança na política energética.

Muratori avisa que os gastos vão piorar com o aumento da tarifa de eletricidade. "Já está mudando a política de bilhetagem de energia. Condomínios que hoje usam média e alta tensão vão ser sobretaxados no horário de pico." Portanto, segundo ele, se ligar uma bomba em hora errada, a energia consumida vai custar muito mais caro do que se acioná-la antes.

"Sistemas automatizados podem evitar que a taxa de condomínio fique 30% a 40% mais cara por causa dessa mudança", estima. "Automação não vai resolver, mas ajuda muito a controlar esse tipo de situação."

Classe média. Com a redução de custo das tecnologias nos últimos anos, edifícios voltados para a classe média passaram a ter infraestrutura para automação, afirma a gerente de novos negócios da Abyara Brasil Brokers, Carolina Brandão. Antes, segundo ela, isso somente era oferecido em empreendimentos de perfil single e de alto padrão.

De acordo com Muratori, cerca de 20% a 25% dos novos lançamentos imobiliários em São Paulo trazem tubulação seca para receber sistemas de som, câmeras e iluminação. "As construtoras estão entrando nessa área de projetos de automação, mas não entregam nada, só a infraestrutura básica", afirma o diretor da Aureside. "Se o cliente quiser, faz por conta própria."

Ele calcula que uma faixa menor, "de 3% a 5% apenas", entrega unidades habitacionais com equipamentos funcionando. "Os mais entregues são fechadura biométrica, controle remoto na sala e caixas de som instalados", declara ele.

Carolina Brandão confirma que a maioria dos empreendimentos com automação tem fechadura biométrica, além da tubulação para futuras instalações, como "a dimerização da iluminação" e o controle do ar condicionado.

"No caso do Tom 1102, da SKR, a automação reforça o projeto de segurança do edifício, empregando biometria nos elevadores", comenta.

Controle no celular. Como os sistemas são wi-fi, o cliente pode incluir sonorização dos ambientes, controle de persianas, acionamento e programação de equipamentos eletrônicos. "Tudo controlado remotamente através do celular", diz Carolina.

Ela conta que no empreendimento BHD Pinheiros, da Brookfield, os apartamentos serão entregues com estrutura preparada para central de automação, dimerização de ambientes, roteador wi-fi, reprodução de música MP3, agendamento de eventos e avisos via e-mail.

No VN Quatá, da Vitacon, o morador, por meio do celular, poderá solicitar que suas roupas sejam lavadas e receber SMS avisando quando estão prontas, segundo Carolina. "Ou que suas correspondências chegaram a seu escaninho, como no caso do BK30."

Muratori diz ter sido chamado para fazer um projeto de automação quando o prédio já estava na última laje. "Só chamaram a gente porque o construtor percebeu que os vizinhos tinham automação, e ele não". Para Muratori, não é possível admitir que um projeto assim seja "tão redondo quanto outro que começou lá na concepção".

Degustação. Para conquistar clientes, algumas construtoras oferecem o que Muratori chama de "degustação" de automação. "É mais comum o prédio ter só a preparação", alega.

A Porte Construtora, por exemplo, entrega imóveis com controles automatizados. É o caso do Composite des Arts, no Jardim Anália Franco, na zona leste de São Paulo.

O empreendimento oferece o Smart Energy: painel com displays que apontam o consumo de luz instantâneo ou acumulado. Também abre e fecha persianas, liga TV, som e ar condicionado, via tablet.

No fim de 2013, a Porte entregou em Santo André (SP) o edifício Contemporâneo, pré-automatizado. O prédio possui relés que controlam a iluminação de quartos e hall, além de sistema para persianas. Pulsadores controlam as áreas comuns.

No Rio, a RCC Empreendimentos vai lançar o Platinum, no Leblon. Os apartamentos terão infraestrutura para automação. Mediante interesse, poderão ser entregues conjuntos que controlam luz, cortinas e sistema de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.