Redução do compulsório afetou pouco o crédito

Entre julho e agosto, os bancos reduziram em R$ 23,7 bilhões os recolhimentos compulsórios ao Banco Central (BC), de R$ 409,7 bilhões para R$ 386 bilhões, mas os efeitos sobre a atividade econômica foram pequenos até o momento, pois as concessões de crédito diminuíram 0,5% no mês, evoluindo apenas 7,4% nos últimos 12 meses, segundo dados oficiais. Em valores dessazonalizados e deflacionados, houve aumento em agosto, segundo a área econômica do Banco Itaú, mas em proporção insuficiente para compensar a queda de julho. Os saldos dos empréstimos evoluíram 1% no mês e 11,1% em 12 meses, atingindo R$ 2,864 trilhões, o que se explica pela incorporação de juros e pela rolagem das dívidas.

O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2014 | 02h05

As empresas de fato receberam, em agosto, em valores absolutos, mais 1,9% em concessões de crédito, ou R$ 3,2 bilhões, segundo o Banco Central, mas nos últimos 12 meses as concessões avançaram apenas 2,8%. Já as concessões de crédito para pessoas físicas caíram R$ 4,2 bilhões entre julho e agosto (-2,6%), aumentando 12,2% em 12 meses.

Os números ajudam a explicar um fato positivo - a diminuição média de 0,3 ponto porcentual nos juros e nos spreads bancários (diferença entre o custo de aplicação e o custo de captação), entre julho e agosto. A redução não se deveu apenas à queda do compulsório, mas também à demanda ainda fraca.

Além disso, a evolução dos empréstimos continua a depender muito das operações direcionadas (que aumentaram 1,5% no mês e 19% em 12 meses) e do crédito oficial (os bancos públicos já participam com 53% do crédito total, ante 32,2% dos bancos privados nacionais e 14,8% dos estrangeiros). Outro fator determinante foi a oferta de crédito imobiliário, cujos saldos cresceram 2% no mês e 27,4% em 12 meses, lideradas pelos empréstimos com taxas reguladas. Mas as concessões de crédito imobiliário com recursos das cadernetas e do FGTS e taxas reguladas caíram 6,2% no mês, de R$ 10,7 bilhões para R$ 10 bilhões.

O governo não conseguiu aumentar a oferta de crédito como pretendia com a redução dos recolhimentos compulsórios. Mas as autoridades parecem não desistir de estimular o consumo via crédito, como se constata pelo anúncio, na semana passada, de que os prazos de concessão do crédito consignado a aposentados passarão de 60 meses para 72 meses. A medida é questionável, pois ameaça comprometer ainda mais a renda das pessoas idosas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.