Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Redução do IPI do carro ainda não chegou ao consumidor

Corte no tributo começa a vigorar nesta sexta, mas concessionárias continuam praticando os preços antigos

Bianca Pinto Lima e Cláudia Ribeiro, do estadao.com.br,

12 de dezembro de 2008 | 17h28

O corte temporário do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos carros anunciado na quinta-feira pelo governo ainda não chegou ao consumidor. Procuradas pelo estadao.com.br, as concessionárias das principais montadoras que atuam no País - Fiat, Ford, General Motors e Volkswagen - informaram nesta sexta-feira, 12, que não estavam comercializando os veículos com preços reduzidos. O corte no tributo começou a vigorar nesta sexta e vale até o dia 31 de março.  Veja também:Corte de IPI de carro vale até marçoGoverno muda IR e corta IOF para aumentar consumo Calcule como fica o IR do seu salário, IOF e IPI  De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  Mesmo os automóveis que foram taxados com o IPI antigo poderão ter seus valores alterados. Isso porque as fábricas têm a possibilidade de refaturar os carros. A operação é chamada de "devolução ficta" - o valor final do veículo é recalculado sem que haja a devolução do produto. Como houve redução do IPI, o veículo poderá ser comercializado a um preço menor. Vale lembrar que a redução do tributo dos carros populares (de até 1.000 cilindradas) caiu de 7% para zero. Os modelos médios, com motor entre 1.000 e 2.000 cilindradas, tiveram a tributação cortada de 13% para 6,5% (modelos a gasolina) e de 11% para 5,5% nos modelos flex e a álcool. Picapes também foram beneficiadas.  De acordo com o advogado tributarista Fábio Alexandre Lunardini, o benefício da redução do IPI só chegará ao consumidor depois que as concessionárias realizarem o refaturamento dos carros, utilizando as novas alíquotas determinadas pelo governo. "O prazo para isso depende da vontade de cada concessionária", explica. Segundo a assessoria da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a demora de um dia para que o benefício chegue ao produto final é aceitável devido a questões operacionais. É necessário que a fábrica passe a informação para toda a rede de distribuidores, que precisará criar uma nova tabela de preços e realizar alterações no sistema.  O setor automotivo nacional sofreu uma queda brusca nas vendas nos meses de outubro e novembro, após registrar altas seguidas. Em outubro, foram comercializados 239 mil veículos novos, uma queda de 11% em relação a setembro, segundo dados da Anfavea. Já em novembro, as vendas somaram 178 mil unidades, uma redução de 26% em relação ao mês anterior. No acumulado de 2008, até novembro, as vendas somam alta de 18% ante o mesmo período do ano anterior. Em setembro, esse índice era de 27%.  Fiat Nas montadoras, a expectativa é positiva. O presidente da Fiat, Cledorvino Belini, destacou que as medidas são uma boa demonstração de que o governo está fazendo a sua parte para reativar a economia. Belini ressaltou ainda que o fato da isenção do IPI vir acompanhada de um corte no Imposto de Renda da Pessoa Física e do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) eleva ainda mais as chances de uma retomada das vendas do setor. Na Fiat, a economia com a redução dos impostos para o bolso do consumidor pode chegar a R$ 2,050 mil nos preços dos modelos 1.0. No carro mais barato oferecido pela empresa, o Uno Mille, que custa na tabela R$ 23,4 mil, o impacto será de R$ 1,735 mil, avalia a companhia. Apesar de não revelar qual o nível atual de estoques, a montadora informa que está cancelando as operações de faturamento dos carros que estão em estoque nas distribuidoras. O objetivo é refazer o processo a fim de repassar os veículos já com o preço novo. GM Nas concessionárias da GM, os carros que serão comercializados a partir desse final de semana já terão seus preços reduzidos. "A empresa promoverá o repasse integral ao consumidor do benefício concedido com a redução de Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI)", divulgou a montadora. Após uma reunião entre as diretorias de vendas e finanças, a empresa decidiu que toda venda de veículo feita neste final de semana no Feirão de Fábrica ou em qualquer concessionária da rede Chevrolet, terá seu faturamento feito fiscalmente a partir desta próxima segunda-feira (16/12/2008). A companhia não informou ainda, porém, qual deverá ser o valor médio do desconto proporcionado pela redução do IPI. Em nota, o presidente da General Motors do Brasil e Mercosul, Jaime Ardila, afirma que a montadora vai conceder os descontos que já estavam previstos e anunciados e ainda repassar a redução de impostos aos preços dos veículos. "Decidimos agilizar e repassar este benefício aos consumidores como uma medida necessária para estimular o mercado automobilístico. O governo federal foi rápido em sua decisão e nós, como montadoras, temos que agir da mesma maneira", destaca, no comunicado. Volkswagen A Volkswagen do Brasil vai repassar o benefício da redução do IPI neste fim de semana, dias 13 e 14 de dezembro. A montadora vai realizar um feirão de Natal na fábrica de São Bernardo do Campo e em todas as concessionárias já com os preços reduzidos. O Novo Gol 1.0, por exemplo, que era vendido por R$ 29.490,00, sairá agora por R$ 27.320,00, um desconto de 7,4%. Toda a linha com motorização 1.0 e 1.6 terá o preço reduzido. Entenda o IPI O IPI é cobrado na importação de carros ou peças e na fabricação dos veículos. Quando a fabricação é interna, o IPI incide em cada parte do processo. Ou seja, a montadora recolhe IPI sobre a compra de rodas, placas, estofamento etc. Sobre o preço final do produto, é calculado o IPI, mas o valor recolhido é apenas a diferença entre o imposto final e o que já foi recolhido. (com Beth Moreira, da Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.