Redução do IPI para carro é prorrogada; Mantega não sabia

O governo Lula deu nesta sexta-feira mais uma demonstração de falta de articulação nas decisões de política econômica. Poucos minutos após o ministro do Planejamento, Guido Mantega, ter informado, em São Paulo, que o governo não iria prorrogar a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os automóveis, o Ministério Fazenda anunciava, em nota, em Brasília, a prorrogação do acordo até fevereiro. A nota diz que os ministérios da Fazenda, do Trabalho e do Desenvolvimento receberam das entidades empresariais, dos trabalhadores e do setor automotivo solicitação formal para a prorrogação da redução do IPI.O governo justificou a prorrogação do acordo pelo resultado positivo para o emprego nos quatro meses da sua duração. Segundo a nota, as empresas se comprometeram a não promover demissões até fevereiro e informaram que não há previsão de aumentos de preço até o final deste ano. O acordo terminaria no domingo, dia 30.Ao negar a prorrogação do acordo, Mantega disse que o benefício foi concedido às indústrias automobilísticas como medida emergencial. "A redução foi emergencial e bem sucedida, pois segurou emprego no setor", disse. No entanto, disse que não está descartada a possibilidade de a redução do tributo vir a integrar o projeto de política industrial que está sendo finalizado pelo governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.