Redução dos compulsórios gerou aumento da liquidez em agosto

A redução da alíquota dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista, definida pelo Banco Central no final de julho, gerou pela primeira vez em 2003, ao longo do mês de agosto, um aumento na liquidez do sistema financeiro brasileiro. O depósito compulsório é a parcela de recursos que os bancos devem recolher ao Banco Central. De acordo com os dados divulgados esta manhã pelo Tesouro Nacional e Banco Central, o saldo líquido de financiamentos tomados pelo BC subiu de R$ 45,4 bilhões para R$ 57,6 bilhões, entre julho e agosto. O resgate líquido de títulos feito pelo governo no mês passado também influenciou esse aumento da liquidez. A redução de 60% para 45% dos depósitos compulsórios não remunerados sobre depósitos à vista só começou a surtir efeito a partir do dia 20 de agosto. Portanto, a análise completa dos efeitos da redução sobre a liquidez do sistema financeiro só poderá ser feita a partir dos dados consolidados de setembro.Para o chefe do departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) do Banco Central, Sérgio Goldenstein, esse aumento de liquidez justifica a elevação no volume das operações compromissadas feitas pelo BC. Essas operações são feitas justamente visando enxugar o excesso de dinheiro das tesourarias das instituições financeiras. O volume médio de dinheiro retirado do sistema em agosto foi de R$ 26,372 bilhões, superando em R$ 2,860 bilhões a média registrada em julho. Em setembro, de acordo com balanço feito pela Agência Estado com base nos dados do Demab, a média já está em R$ 27,689 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.