carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Redução é a primeira desde 2003

A decisão do Federal Reserve de cortar a taxa básica ontem em 0,5 ponto - a primeira redução desde 2003 -, e não 0,25, lembrou os eventos de 3 de janeiro de 2001, quando a instituição promoveu um corte inesperado de 0,5 fora do calendário oficial de reuniões, o que deu início a um mergulho da taxa de 6,5% para 1,75% em apenas um ano.Como ocorre hoje, a taxa americana em 2001 estava em nível elevado. Da mesma forma, um evento ameaçador, o estouro da bolha da alta tecnologia em 2000, já tinha afetado em cheio a economia dos EUA. Apesar de toda sua fama posterior de complacência com os mercados, e de disposição para atirar a bóia para investidores em dificuldades, o ex-presidente do Fed Alan Greenspan demorou a convencer-se de que, mesmo depois do estouro da bolha, houvesse grandes riscos de recessão. Tanto assim que as bolsas começaram a despencar em março de 2000, e apenas no início de janeiro de 2001 o Fed resolveu agir.Quando iniciou os cortes, porém, Greenspan agiu sem vacilações, dando a impressão de que se sentia um pouco atrasado no processo de relaxamento monetário para evitar a recessão. Na realidade, houve uma recessão, nada dramática, em 2001, para a qual também contribuíram os atentados de 11 de setembro.Agora, de novo de forma brusca, Ben Bernanke, sucessor de Greenspan, inicia seu processo de cortes, para tentar evitar uma aterrissagem forçada da economia. Os dois momentos têm semelhanças, e mostram que as propaladas diferenças de estilo entre Greenspan e Bernanke talvez não sejam tão acentuadas.

O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2019 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.