Reestruturação é ''histórica'', afirma diretor do FMI

O diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, classificou de "histórica" a reestruturação aprovada ontem pelos ministros das Finanças do G-20 para ampliar o poder dos países emergentes dentro do organismo. "Essa é a maior reforma já realizada na governança da instituição", declarou Strauss-Kahn em entrevista coletiva depois da conclusão do encontro de dois dias.

, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2010 | 00h00

O acordo reflete as mudanças no cenário econômico mundial ocorridas desde a criação do FMI, em 1945, em especial o aumento da relevância dos países emergentes, que há anos pedem a reformulação na composição do comando da instituição.

A China será o emergente com maior peso no FMI e passará da sexta para a terceira posição entre os países com mais poder de voto, à frente de Alemanha, França e Inglaterra. A Índia ocupará a oitava posição, a Rússia, a nona, e o Brasil, a décima.

O realinhamento das forças dentro do FMI se dará por meio da transferência de 6% das quotas atualmente em mãos de países desenvolvidos para os emergentes. O tamanho da quota determina o peso do voto de cada país, além do tamanho de sua contribuição para o organismo multilateral. A reforma também modifica a composição das 24 cadeiras que compõem a diretoria da instituição, com a transferência de duas delas da Europa para emergentes.

O ministro da Fazenda do Brasil, Guido Mantega, não participou do encontro na Coreia do Sul e foi representado pelo secretário de Assuntos Internacionais da Pasta, Marcos Galvão, enquanto o diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Luiz Pereira, representou o presidente da instituição, Henrique Meirelles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.