coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Refeição fora de casa e empregados domésticos puxam a alta da inflação

A alta do cafezinho nos bares e restaurantes, de 11,41% em doze meses, revela como o setor de serviços está pressionando os preços

FERNANDA NUNES, DANIELA AMORIM, VINICIUS NEDER / RIO, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2013 | 02h13

Embora os preços dos alimentos venham pressionando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos últimos meses, a inflação de serviços continua como grande fonte de preocupação de economistas.

Quatro dos 10 itens de maior impacto sobre a inflação de 6,59% acumulada em 12 meses são serviços: refeição fora de casa, aluguel residencial, cursos regulares e lanche fora de casa.

Refeição fora de casa foi o maior vilão em 12 meses, ao lado das despesas com empregados domésticos - os dois itens respondem por 0,86 ponto porcentual da taxa de 6,59%.

A alta dos preços dos serviços nos últimos 12 meses superou de longe a inflação medida pelo IPCA: o aumento foi de 8,37%. A alta nos preços de alimentos, embora forte e resistente, tem influência de um choque de oferta. Já a inflação dos serviços é mais persistente, segundo a economista Silvia Matos, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). A explicação é o mercado de trabalho aquecido. "Mesmo tendo um aumento menor do salário mínimo e a economia não indo lá tão bem, o mercado de trabalho pressiona bastante."

Um simples cafezinho consumido nos bares e restaurantes, por exemplo, passou a pesar 11,41% mais no bolso. Se comprasse o café moído no supermercado para tomar em casa, o aumento do custo ao consumidor teria sido de 7,13%.

"Estamos nos tornando um país de primeiro mundo. Antes, a valorização dos serviços era típica apenas em Paris e Nova York. Mas, com o aumento da demanda no Brasil, os preços aqui também estão ficando mais altos", destacou o professor de Economia e Finanças do Ibmec-Rio, Luiz Filipe Rossi.

Ele lembrou, contudo, que também o serviço em casa, como o de preparar um cafezinho, ficou mais caro, com o aumento do salário da empregada doméstica. "Nos EUA, é possível comprar muitos produtos prontos para facilitar a vida de quem trabalha fora. Ir a um restaurante é um absurdo, porque a mão de obra qualificada nos grandes centros é muito cara", disse Rossi.

Para muitos brasileiros, abrir mão do café no horário de trabalho, na rua, é mais penoso do que pagar um pouco mais por isso. "Todas as tardes, interrompo o que estou fazendo para um cafezinho. Às vezes, pesa um pouco, porque, junto do café, sempre vem um bolo. No fim, sai mais caro do que o esperado", contou o funcionário público Ronaldo Silva, enquanto tomava o seu café da tarde, no centro do Rio.

O preço do cafezinho na rua, assim como todos os serviços, está sendo pressionado pelo crescimento da contratação pelo setor, o que diminui a oferta de mão de obra e acaba elevando os salários. Há uma massa de consumidores incorporada à economia, que ajuda a aquecer a demanda. Em média, o custo da mão de obra representa 19,2% da receita dos serviços. O peso é maior nos segmentos que usam mão de obra menos qualificada, como alimentação fora de casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.