Peter Morrison/AP
Peter Morrison/AP

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Referendo na Irlanda aprova reformas na UE

Em segunda votação, irlandeses dizem sim ao Tratado de Lisboa.

BBC Brasil, BBC

03 de outubro de 2009 | 12h42

Um referendo na Irlanda aprovou neste sábado o Tratado de Lisboa - que cria um cargo equivalente ao presidente da União Europeia e facilita a tomada de decisões no bloco de 27 países.

Essa foi a segunda vez que os eleitores irlandeses foram às urnas para votar sobre o assunto. Na primeira, no ano passado, disseram não à reforma na UE.

O resultado oficial da votação foi anunciado pelo primeiro-ministro irlandês, Brian Cowen, que afirmou que os eleitores responderam com uma voz "clara e ressonante".

O Tratado de Lisboa deveria ter entrado em vigor em janeiro deste ano, mas até hoje não foi aprovado por todos os países do bloco.

Além da Irlanda, que agora o aprovou, falta a Polônia e a República Tcheca. Nos dois últimos, entretanto, os Parlamentos já passaram a reforma.

VOTO DE CONFIANÇA Entre as mudanças previstas no documento estão a possibilidade de aprovar mais decisões por maioria, diminuindo a atual necessidade de unanimidade, além da criação dos cargos de presidente do Conselho Europeu e de alto representante para Assuntos de Exterior.

O ministro do Exterior da Suécia, Carl Bildt, que atualmente ocupa a Presidência rotativa da UE, afirmou que a vitória é "importante para a Irlanda e para toda a Europa".

Já o presidente da Comissão Europeia, o português José Manuel Barroso, elogiou o "voto de confiança" dos irlandeses na UE e disse que ele manifesta "um desejo de ser um integrante sincero" do bloco.

Analistas dizem que a opinião dos irlandeses mudou neste ano por causa da gravidade da crise econômica, bem como por causa das "garantias legais" dadas sobre a soberania do país após a derrota no ano passado.

Essas garantias, determinam que a União Européia não pode influir sobre áreas cruciais da soberania irlandesa, como política fiscal, neutralidade militar e assuntos domésticos como aborto.

O Tratado de Lisboa foi criado depois da expansão da União Europeia em 2004, como um substituto para o atual Tratado de Nice, que ainda vigora, embora tenha sido idealizado para um bloco com apenas 15 países.  

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.