Refinaria Abreu e Lima já pode iniciar a produção de diesel

Refinaria Abreu e Lima já pode iniciar a produção de diesel

Petrobrás já recebeuautorização da ANPpara operar a unidade responsável pelo refino do combustível

ANTONIO PITA / RIO , O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2014 | 02h01

A Petrobrás já pode iniciar a produção de diesel na Refinaria Abreu e Lima (Rnest). A estatal recebeu a autorização da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) para operar a Unidade de Coqueamento Retardado, responsável pela produção do diesel - o principal foco do complexo de refino localizado na região metropolitana de Recife.

A autorização foi publicada ontem no Diário Oficial da União, mas limita a capacidade de processamento da unidade. De acordo com a agência reguladora, a estatal só poderá processar um volume de 11.765 m³/dia, o equivalente a 67% da capacidade nominal da refinaria.

Para operar com a carga máxima, a Petrobrás ainda precisa colocar em "perfeito funcionamento" uma unidade responsável pelo controle de resíduos, a Unidade de Abatimento de Emissões (Snox). A condição foi determinada pelo órgão ambiental de Pernambuco.

Além da unidade de diesel, a ANP autorizou a operação de novas unidades e tanques de armazenamento da refinaria, que integra o Complexo Industrial de Suape. Na quarta-feira, a Petrobrás iniciou o acendimento dos fornos da Unidade de Destilação Atmosférica (UDA) - o primeiro passo para a produção comercial dos derivados.

"Essa nova etapa do processo de entrada em operação da Rnest consiste em aquecer e fracionar o petróleo para a posterior produção de derivados", informa a companhia, em seu site. Segundo a estatal, foram realizados "diversos testes, como avaliações individuais dos queimadores e de todas as válvulas de segurança".

A refinaria será a maior da estatal em capacidade de produção de diesel. A expectativa da companhia é iniciar a venda dos derivados produzidos na Rnest ainda neste mês para Pernambuco e Estados do Nordeste.

Ganho de caixa. Com a produção, a estatal vai aliviar o atual parque de refino, construído na década de 80 e que atualmente opera na capacidade máxima. Além disso, a Petrobrás também terá um ganho de caixa com a redução das importações de derivados, o que dará mais fôlego às contas da companhia.

A Refinaria de Abreu e Lima é a principal obra sob investigação da Polícia Federal. Ela foi concebida em 2005, com previsão de orçamento de US$ 2 bilhões e prazo de inauguração em 2011.

A refinaria seria realizada em parceria com a venezuelana PDVSA, que teria 60% de participação, mas o acordo de investimento nunca foi concretizado. Hoje, a unidade está orçada em US$ 18,8 bilhões. Em junho, o ex-diretor de abastecimento, Paulo Roberto Costa, descreveu o projeto inicial da refinaria como "conta de padeiro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.