Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Refinaria nos EUA terá US$ 7 bi

Com investimentos da Shell e da Saudi, unidade será a maior do país

O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2024 | 00h00

A petrolífera britânica Royal Dutch Shell e a saudita Saudi Aramco investirão US$ 7 bilhões na sua refinaria em Port Arthur (Texas), que passará a ser a maior dos Estados Unidos. Segundo o jornal britânico Financial Times, as duas empresas decidiram investir apesar de não acreditarem que as altas margens de lucro atuais da indústria petrolífera se manterão por muito tempo.Por causa da escassez de capacidade de refino nos Estados Unidos, o preço do galão nos postos de gasolina no país superou os US$ 2,80. As margens de lucro das refinarias dispararam. A escassez se deve principalmente à falta de investimentos, já que nenhuma nova refinaria foi construída nos Estados Unidos nos últimos 30 anos.O investimento da Shell e da Aramco, por meio da joint venture Motiva, dobrará a capacidade da refinaria, que poderá processar mais de 600 mil barris diários a partir de 2010. A refinaria poderá processar petróleo ácido (com grande quantidade de compostos de enxofre) da Arábia Saudita e do Canadá, onde a Shell está fazendo grandes investimentos.EM ALTANa semana passada, pela primeira vez na história, o preço do barril de petróleo se aproximou dos US$ 85, estimulado pela suspensão de quase um terço da produção do Golfo de México, ante os riscos de uma tempestade tropical. A ameaça de um furacão na região levou à suspensão preventiva de 28% da produção no Golfo de México, o que equivale a uma redução de 360 mil barris diários de petróleo.Os preços também foram pressionados pela queda do dólar e pela possibilidade de aumento da demanda após a queda nas taxas de juros americanos, cujo objetivo é estimular a economia, além da redução das reservas nos Estados Unidos antes da chegada do inverno no hemisfério norte.Na quinta-feira, o preço do barril superou pela primeira vez a barreira dos US$ 84 em Nova York, fechando a US$ 84,10. Na semana, o petróleo subiu US$ 5 em Nova York e quase US$ 4 em Londres. ''''Há um movimento de correção técnica, porque o mercado subiu muito alto e muito rapidamente. Os preços vão cair de novo a US$ 74 ou US$ 76'''', comentou Mike Fitzpatrick, analista da MF Global.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.